País

Canidelo não quer telhados de escolas com amianto

Canidelo não quer telhados de escolas com amianto

Ainda há escolas com telhados de fibrocimento que contêm amianto em Gaia. A existência da substância perigosa para a saúde pública preocupa a Assembleia de Freguesia de Canidelo, que exige a substituição das coberturas.

O vereador da Educação da Câmara gaiense, Firmino Pereira, admite que aquela freguesia é a que possui mais escolas com telhados em fibrocimento. Nas décadas de 80 e 90, os estabelecimentos de ensino ainda eram construídos com estes materiais. Os deputados da Assembleia de Freguesia salientam que não são só as escolas do Primeiro Ciclo do Ensino Básico que têm amianto nas coberturas, mas também as salas de aula da EB 2,3 de Canidelo e da Secundária Inês de Castro.

Há muito tempo que reclamam a resolução do problema, mas, até agora, continua por concretizar. Isso sucede, garantem os deputados na moção (apresentada pelos eleitos da CDU) aprovada por unanimidade há cerca de um mês, apesar de existirem "directivas comunitárias, nacionais e municipais no sentido de eliminar as situações de risco de contaminação por amianto, nomeadamente causadas por telhados de fibrocimento", como se lê no documento.

Lembram, então, o risco de crianças, docentes e funcionários estarem expostos a uma substância com "efeitos cancerígenos" e pedem ao Município e à Direcção Regional de Educação do Norte (DREN) para mudar as coberturas. A Câmara garante que começará a realizar essa tarefa no próximo ano, perspectivando que a mudança nas 15 escolas primárias que ainda dispõem de telhados com amianto custe dois milhões de euros. Já a DREN, questionada pelo JN, não deu resposta.

Firmino Pereira garante que o projecto de remodelação da Escola do Viso, em Canidelo, está concluído e será a primeira a ter nova cobertura. O autarca reconhece que o processo sofreu um atraso superior a um ano, como indicam os deputados, por duas razões.

Primeiro, foi necessário encontrar a solução técnica para mudar a cobertura, pois vai ser adoptada "em todas as escolas primárias com telhados de fibrocimento". A segunda razão tem a ver com o facto do Departamento Municipal de Obras Públicas ter estado empenhado na elaboração dos projectos dos sete centros escolares a erguer no concelho (e que levarão ao fecho de algumas escolas do Primeiro Ciclo do Ensino Básico, de acordo com a Carta Educativa de Gaia).

Esses projectos são prioritários, porque beneficiarão de fundos comunitários do Quadro de Referência Estratégico Nacional QREN). Os prazos têm de ser cumpridos sob pena de perderem-se milhões de euros, como explicou o vereador. "O departamento teve de projectar sete centros escolares, cujos procedimentos para o ajuste directo das obras serão lançados até ao final deste mês", acrescenta ainda.

O investimento total na edificação dos centros escolares é de 30 milhões de euros. O Município de Gaia prevê que os novos estabelecimentos, que terão capacidade para meia centena de alunos desde o pré-escolar ao Primeiro Ciclo do Ensino Básico, fiquem concluídos em 2013. Ficarão instalados nas freguesias de Arcozelo, Madalena, S. Félix da Marinha, Pedroso, Vilar de Andorinho, Mafamude e Avintes. Em construção está o Campus Escolar da Serra do Pilar, na Avenida de D. João II, em Oliveira do Douro.

Outras Notícias