Vila Nova de Gaia

Custo do teleférico continua a subir

Custo do teleférico continua a subir

O tribunal fixou em 650 mil euros o valor das expropriações para a construção do teleférico de Gaia. A Câmara previa uma factura (a pagar pelo concessionário) de 336 mil euros. Ontem, quarta-feira, foi aprovado o pagamento de mais 36 mil euros por uso do espaço aéreo.

Mas também este valor pode duplicar, caso os proprietários das habitações que terão a passar o teleférico junto ao telhado recorram ao tribunal. No caso das expropriações anteriores, a decisão judicial aumentou bastante os valores indiciados pelo Município.

O teleférico já começou a sobrevoar a escarpa, em fase de testes, mas os valores do projecto continuam a subir. A obra foi orçada em cerca de 10 milhões de euros, mas os custos finais deverão ser superiores. No processo de expropriação de seis parcelas, na Calçada da Serra, inicialmente previa-se pagar 336 mil euros, mas o tribunal já determinou que a indemnização rondaria os 650 mil.

Ontem, na reunião de Câmara, foi aprovado que dois proprietários teriam que ser indemnizados por causa da servidão administrativa do espaço aéreo das suas habitações. "Após a análise por técnicos, o concessionário diz que havia necessidade de fazer essa indemnização e nós, por mera cautela, pedimos à Câmara para aprovar", explicou Carlos Pinto, director municipal de Finanças. Este valor, garantiu, vai ser pago pelo concessionário.

Para os vereadores da oposição socialista, esta é mais uma demonstração de que o projecto "foi feito em cima do joelho". "Mais uma vez, fica demonstrado que o projecto foi feito sem qualquer planeamento e o custo da obra continua a aumentar", disse, ao JN, Eduardo Vítor Rodrigues.

Ainda na reunião de Câmara de ontem, a aceitação do proposta socialista para que a Câmara de Gaia tome providências quanto à integração das empresas de transportes do concelho na rede Andante é motivo de contentamento para o PS (ver caixa). "Finalmente o executivo tomou consciência da discriminação que estão a fazer ao concelho", afirmou Eduardo Vítor Rodrigues

O Executivo aprovou, ainda, a redução em 5% do valor de resíduos sólidos, para o escalão das famílias mais desfavoráveis. Neste escalão estão inseridos centenas de utilizadores, que vêem agora a sua conta de água reduzida, pelo menos na percentagem paga pela recolha do lixo.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG