O Jogo ao Vivo

Vila Nova de Gaia

Falta de acessos põe passageiros de "língua de fora"

Falta de acessos põe passageiros de "língua de fora"

Milhares de pessoas são obrigadas, todos os dias, a subir 64 degraus para sair da estação de comboios de General Torres, em Gaia, a gare mais próxima do centro da cidade e dos múltiplos serviços que se concentram na zona da Avenida da República.

Remodelada em 1994, a estação de caminho de ferro de General Torres, com saída para a Avenida da República, em Gaia, e aquela que mais perto se encontra da zona onde se situam serviços como tribunais, as Finanças e a Câmara, ente outros, nunca teve outro acesso que não fossem escadas.

Nunca teve elevador ou escadas rolantes, tornando-se um pesadelo para pessoas com mobilidade reduzida e inacessível para deficientes motores. Uma situação claramente em desrespeito para com a legislação nacional.

Ao todo são 64 os degraus que, todos os dias, milhares de pessoas são obrigadas a subir para dali sair, seja a caminho do trabalho, das aulas ou mesmo para apanhar o metro: defronte da estação fica uma paragem da Linha Amarela.

João Vieira, de 22 anos, estudante de Medicina, é uma delas. "Sempre que saio do comboio, faço a distância entre a plataforma e o início das escadas a pensar na canseira que vou sentir. Começo sempre bem, com energia, mas a meio já vou com a língua de fora e, como infelizmente sou fumador, quando chego lá acima dá-me um ataque de tosse que só pára vários minutos depois. E eu sou novo. Não sei como é que as pessoas de idade aguentam", explicou o passageiro.

Maria Rosa Magalhães, de 72 anos, de Marco de Canaveses, que o diga. "O que me vale é que só venho a Vila Nova de Gaia uma vez por semana para ir à piscina. Se tivesse de fazer isto todos os dias, se calhar não conseguia", contou, quase sem fôlego, já a terminar o último lanço que a separava do ar livre da Praça Salvador Caetano, em frente à gare. 

"Esta estação teve sempre problemas. Durante anos, quem saía aqui tinha de subir umas escadas de madeira, tantas vezes à chuva, só para chegar à Avenida. Depois, com as obras, só fizeram asneiras. Primeiro foi o piso que era escorregadio, tanto que anos mais tarde mudaram; depois, nunca teve elevadores, o que ninguém compreendeu", criticou Tomé Ferreira, reformado.

PUB

Contudo, a situação poderá mudar em breve se realmente for levado a cabo um projecto de remodelação da estação e do espaço envolvente e que irá ser realizado, segundo fonte da REFER, em compatibilidade com a construção da chamada Via do Centro Histórico, uma obra da Autarquia.

Segundo a mesma fonte da REFER, "a intervenção a realizar consiste na instalação de meios mecânicos de elevação (escadas rolantes e elevadores) entre as plataformas de passageiros, que serão reabilitadas, e a Rua de Jau", nas traseiras da estação.

Será ali, aliás, que passará a situar-se a entrada principal e onde serão instalados novos serviços de apoio ao passageiro, designadamente bilheteiras, casas de banho e um pequeno espaço comercial. Nessa altura, para chegar à Avenida da República bastará atravessar a referida Praça Salvador Caetano.

A REFER já deu início ao processo de consulta para adjudicação da obra, que se prevê ficar pronta até ao final do ano. No entanto, e segundo a Câmara de Gaia, o dossiê em causa ainda não está fechado. Ainda há "pormenores a discutir e a negociar com a REFER, dependendo mais desta do que da Câmara o avanço das obras", explicou, ao JN, fonte da Autarquia gaiense.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG