Vila Nova de Gaia

Novo padre de Canelas voltou a sair escoltado pela GNR

Novo padre de Canelas voltou a sair escoltado pela GNR

O novo padre de Canelas, Vila Nova de Gaia, voltou a sair da igreja escoltado pela GNR e sob protestos da população, que quer o regresso do antigo pároco, destituído pela Diocese do Porto.

Desde que o padre Albino Reis tomou posse, a 9 de novembro, centenas de populares concentram-se, domingo após domingo, à porta da Igreja de Canelas, não assistindo à Eucaristia, assobiando e gritando "o padre é só um, Roberto e mais nenhum", obrigando a intervenção policial.

A decisão de afastar o padre Roberto de Sousa da paróquia de Canelas foi tomada em finais de julho pela Diocese do Porto, tendo chegado a haver um recuo a meio de setembro, mas a determinação ficou concretizada no início de novembro.

Por este motivo, a população de Canelas decidiu não assistir às homílias enquanto não obtiver uma explicação "legítima" pela Diocese do Porto e os catequistas, leitores, acólitos e ministros de comunhão demitiram-se das suas funções, afirmou este domingo o responsável pelo movimento "Uma Comunidade Reage!", Miguel Rangel.

Agora, os habitantes de Canelas estão a recolher testemunhos para um livro a oferecer ao padre destituído, num jantar agendado para 6 de dezembro, numa homenagem aos oito anos de "dedicação" à paróquia.

Ao longo de meses, o movimento "Uma Comunidade Reage!" organizou um cordão humano, uma vigília, uma marcha silenciosa e recolheu 5.800 assinaturas para um abaixo-assinado que, posteriormente, entregou ao bispo do Porto numa reunião.