Vila Nova de Gaia

Teleférico de Gaia: turistam acham caro e preferem barco ou autocarro

Teleférico de Gaia: turistam acham caro e preferem barco ou autocarro

Um ano depois de abrir ao público, o teleférico de Gaia, que liga o jardim do Morro ao Cais da cidade, "é giro, mas caro", dizem os turistas que preferem os passeios de barco ou o autocarro.

Foi a 1 de abril de 2011 que as 12 cabines do teleférico abriram portas ao público e começaram a sobrevoar a zona ribeirinha de Gaia, num percurso de pouco mais de 500 metros que pode demorar entre três a seis minutos, consoante a velocidade.

Nos primeiros seis meses de funcionamento, o teleférico terá transportado cerca de 125 mil passageiros, a maior parte dos quais turistas, divulgou em setembro de 2011 a Telef, concessionária do equipamento.

Perante os números avançados então pela Telef, é fácil retirar uma média de quase 700 passageiros por dia, mas os comerciantes locais, e os próprios turistas, contrariam esta versão.

"Está praticamente sempre vazio", disse à Lusa Elsa Cardoso, do Café Mareantes Rio Douro, que fica mesmo em frente a um dos pilares do teleférico, situação que "prejudicou a vista" ao estabelecimento.

Também Maria Helena, da loja número 10, um pouco ao lado do Mareantes, diz que o equipamento teve "muito poucas pessoas no inverno", a não ser quando se "juntavam grupos de escolas", mas "não era nada de especial".

Já Maria da Luz, da Pretty Shop, admite ver "algum movimento" no teleférico, ressalvando porém as críticas dos moradores locais, para quem "devia haver ligação ao Andante", ou dos turistas, que dizem "ser caro e pouco tempo".

Queixa, aliás, também ouvida por Carlos Peixoto, gerente do restaurante Rabelo, para quem o "teleférico atrai muito turismo, é uma mais valia", mas "os turistas dizem que é um bocado caro para uma coisa de pouco mais de cinco minutos" pelo que "procuram mais as caves do vinho do Porto e os barcos".

É que por "10 euros é possível andar 50 minutos de barco" na Douro Azul, explicaram Rui Ferreira e Susana Lemos, comerciais daquela empresa que diariamente assistem ao dilema dos turistas na escolha da melhor atração, acabando por "optar pelo cruzeiro no rio ou pelos transportes públicos" porque "o teleférico é caríssimo".

"A viagem é muito curta para o que custa. É um exagero", disse mesmo Palmira Correia, que tinha acabado de sair do teleférico onde cada viagem custa entre cinco a oito euros para adultos e 2,5 e quatro para crianças.

Na rua, a opinião dos turistas estrangeiros alterna entre o "giro mas caro" da França e o "chega a ser disparatado" da Inglaterra.

O teleférico, que liga a cota baixa junto ao Cais de Gaia à cota alta no Jardim do Morro, nasceu de uma iniciativa da autarquia, traduzida num concurso público lançado em 2007 e foi inaugurado a 1 de abril de 2011, depois de vários adiamentos.

Depois de várias tentativas, não foi possível obter, em tempo útil, qualquer comentário por parte da concessionária.