Exclusivo

Pérolas da marginal de Gaia ao abandono e sem projetos à vista

Pérolas da marginal de Gaia ao abandono e sem projetos à vista

Entre Francelos e Miramar, à beira da praia, em Gaia, há três equipamentos que tiveram a sua época áurea, mas que hoje estão sem uso: uma antiga colónia de férias, o terreno que acolheu as instalações da RDP e o outrora carismático hotel Mirassol, onde o F. C. Porto, treinado por Pedroto, estagiou. A localização é ótima e devia atrair investimentos, mas nada se avista. Estão inativos há anos. Ao JN, a Câmara de Gaia adiantou que, ultimamente, não deu entrada qualquer projeto.

O Mirassol, que era um ex-líbris da orla marítima, fechou portas na década de 90. Em 2011, na presidência autárquica de Luís Filipe Menezes, ficou desbravado o caminho para o imóvel ganhar uma nova vida. O edifício foi vendido a estrangeiros por cinco milhões de euros. Quem o comprou adquiriu-o com projeto aprovado para ali ser construída uma unidade hoteleira. O Município apoiou por se enquadrar no "esforço de reabilitação da marginal", segundo foi dito. O modelo a implantar seria de um aparthotel, com valência de turismo sénior e apoio médico. A capacidade era de 93 quartos e 58 residências. Incluía a recuperação da fachada e do prédio. Acoplado, nas traseiras, outro imóvel seria erguido. No meio do complexo estava prevista uma piscina.

O plano soava bem, mas não se concretizou. Passados estes anos, o Mirassol continua em ruínas, à espera de um novo destino. Em 2015 era propriedade do grupo Salvador Caetano. Hoje, está vedado e nas faixas surge a inscrição da empresa Auto Partner Imobiliária, que tem o mesmo endereço da sede da Salvador Caetano. O JN contactou o grupo conhecido pela sua ligação ao setor automóvel, mas não obteve resposta.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG