Incêndio

Mãe e quatro filhos salvam casas no Freixoeiro, Mação

Mãe e quatro filhos salvam casas no Freixoeiro, Mação

Reacendimento do fogo às 16.30 horas provocou pânico quando fogo atravessou o Estradão da Ribeira do Freixo e começou a correr em direção às casas do Alto do Freixo, em Mação, onde o fogo já tinha chegado na tarde de ontem e rondou durante toda a noite.

Esta tarde, chegou perto de uma dúzia de casas do Freixoeiro, a maioria habitações de férias, mas foram os populares a salvá-las porque os bombeiros, que atuavam ali perto no mato já próximo da aldeia de Sarnadas, ficaram sem água. Foi aí, cerca das 16 horas, que o fogo cruzou o Estradão.

Maria Resende e os 4 filhos, que são de Lisboa e estavam cá de fim de semana, andavam todos de mangueiras e enxadas na mão, e viram-se aflitos para salvar a sua casa, que compraram em janeiro no Alto do Freixo.

"Não chegaram aqui bombeiros. Nada. Fomos só nós e uns moços aqui da povoação - eram ao todo 10 pessoas - que conseguimos salvar a nossa casa e duas outras dos vizinhos. Vamos agora andar nisto o resto do dia, eu e os meus 4 filhos, e toda a noite também, como ontem em que ninguém dormiu, porque vai haver reacendimentos. É uma aflição, meu Deus. Compramos esta casinha em janeiro para fugir à confusão da cidade e logo no primeiro ano levamos com isto. É uma receção que não se deseja a ninguém", diz Maria Resende ao JN, enquanto continua a regar o terreno à volta da casa a vigiar o mato de eucaliptos que continua a fumegar a 100 metros da sua casa.

Este naco de fogo segue agora em direção a Arganil e Moita Ricome, onde há mais casas, depois fica Proença-a-Nova, vila do distrito de Castelo Branco, sub-região da Beira Baixa.