Santarém

Vento "afeta ações de combate" ao fogo em Ourém

JN/Agências

 foto EPA/PAULO CUNHA

 foto EPA/PAULO CUNHA

 foto EPA/PAULO CUNHA

 foto EPA/PAULO CUNHA

O vento está esta sexta-feira à noite a "afetar as ações de combate" ao incêndio que lavra desde às 14.40 no concelho de Ourém, no distrito de Santarém, disse à agência Lusa a Proteção Civil.

"Ainda temos algum vento no local que está a afetar as ações de combate" às chamas, referiu fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém.

De acordo com a mesma fonte, pelas 23.20, o incêndio estava a "arder com intensidade" e a ser feito um reforço de operacionais.

"Encontramo-nos a colocar meios [de combate] de reforço nos locais [do fogo]. Estamos um pouco menos de 600 operacionais - 570 -, mas tendência vai ser para aumentar" durante a noite, anotou.

À Lusa, a fonte do CDOS de Santarém lembrou ainda que "não vai haver recuperação noturna" devido à escassa humidade no ar.

"Aquilo que prevemos é que haja uma redução da intensidade do vento no período noturno, no entanto, as previsões meteorológicas vão ser desfavoráveis", observou, afirmando que a "entrada da humidade não vai ocorrer".

Pelo menos 50 pessoas foram retiradas hoje das suas casas, por precaução, devido ao incêndio, disse à Lusa o presidente da Câmara de Ourém, Luís Albuquerque.

"Estamos a falar de um território muito disperso, com casas muito dispersas no meio da floresta, e por uma questão de precaução entendemos por bem ir evacuando algumas casas, prevendo que o fogo poderia chegar perto dessas casas. Isso efetivamente foi feito, mas povoações inteiras não", explicou o presidente da câmara.

De acordo com Luís Albuquerque, pelas 20.40, o incêndio continuava "com duas frentes ativas" e "com grande intensidade".

Este incêndio obrigou ao corte da circulação ferroviária na Linha do Norte, desde cerca das 18.30, e atingiu um aviário, disse à Lusa ao final da tarde fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Santarém.

"O incêndio está ativo com muita intensidade. A velocidade de propagação é muito elevada, motivada por projeções a longa distância", disse na altura o CDOS de Santarém.

Relacionadas