O Jogo ao Vivo

Pandemia

Hospital de Santarém pede encaminhamento de doentes urgentes para outras unidades

Hospital de Santarém pede encaminhamento de doentes urgentes para outras unidades

O Hospital de Santarém pediu que os doentes urgentes sejam encaminhados para outras unidades hospitalares por ter 19 médicos da escala do seu Serviço de Urgência ausentes, quatro deles com covid-19 e 15 em isolamento por "contacto de alto risco".

Em comunicado, o diretor clínico do Hospital Distrital de Santarém (HDS), Paulo Sintra, afirma que esta unidade de saúde "enfrenta uma diminuição na sua capacidade de resposta", dada a ausência destes 19 clínicos e ao facto de o Serviço de Internamento, onde se encontram internados nove doentes positivos e 42 suspeitos, estar "sobrecarregado pela falta de profissionais disponíveis".

Segundo a nota, entre terça e sexta-feira desta semana, o Serviço de Urgência do HDS "mantém-se disponível para atender todos os utentes que se desloquem pelos seus próprios meios, tendo sido comunicado ao CODU [Centro de Orientação de Doentes Urgentes] que todos os outros doentes, com especial enfoque nos doentes emergentes, sejam encaminhados para os Serviços de Urgência de outras unidades hospitalares".

"A capacidade crescente de testar, mais de 12.000 testes realizados até agora, as medidas de segurança e higienização implementadas, a contratação de profissionais suplementares e o esforço de todos os profissionais com cancelamento de férias e aumento dos turnos de urgência não foram suficientes para evitar a situação atual", acrescenta.

No comunicado, o HDS diz esperar "retornar à atividade normal" na próxima semana.

Dos 19 médicos ausentes, um clínico do HDS e três prestadores de serviços estão infetados com covid-19 e 15 médicos tiveram contacto de alto risco, refere a nota.

Numa informação a que a Lusa teve acesso, a administração do HDS afirma que o Serviço de Urgência deste hospital está sem capacidade de resposta para receber doentes com suspeita de enfarte, AVC, dor torácica, neurotrauma único e vértebro-medular e outros traumas graves.

"Assim, estes doentes não podem ser encaminhados para o Serviço de Urgência Geral deste hospital devido à falta de capacidade de resposta, sob pena de não ser prestada assistência adequada e em tempo útil, desde as 16 horas do dia 31 de agosto até às 9 horas do dia 5 de setembro", refere essa comunicação.

Outras Notícias