País

Touradas: defensores dos animais iniciaram protesto contra 1/o Rodeio no Porto

Touradas: defensores dos animais iniciaram protesto contra 1/o Rodeio no Porto

Porto, 04 Set (Lusa) - O porta-voz do Movimento Anti-Touradas de Portugal apelou hoje às entidades que apoiam a realização do "1/o Rodeio no Porto" para que se demarquem e promovam o cancelamento deste "espectáculo de violência sobre animais indefesos".

"Estamos a fazer este apelo até porque os rodeios são uma actividade proibida em Portugal", afirmou Rui Silva à Lusa, admitindo a realização de acções de protesto e boicote.

O porta-voz do MATP citou a Lei de protecção dos Animais em vigor (Lei n.º 92/95, de 12 de Setembro) que estipula que "são proibidas todas as violências injustificadas contra animais, considerando-se como tais os actos consistentes, sem necessidade, se infligir a morte, o sofrimento cruel e prolongado ou graves lesões a um animal".

O 1/o Rodeio no Porto deverá realizar-se entre 18 e 21 deste mês na designada Arena Super Bock, no Queimódromo, no Parque da Cidade.

O evento, que será realizado com animais oriundos do Brasil (bois e cavalos), é organizado por um empresário brasileiro com o apoio da Câmara do Porto e do Consulado Geral do Brasil.

"Estamos a apelar às lojas FNAC e Abreu que se recusem a vender bilhetes para este rodeio, assim como ao seu patrocinador oficial (centro Comercial Dolce Vita) e aos apoiantes Porto Lazer, Câmara do Porto e Consulado do Brasil para que retirem o seu apoio", frisou o porta-voz do MATP.

PUB

Segundo Rui Silva, o movimento enviou já esta solicitação, via e-mail, às diversas instituições envolvidas, mas até ao momento não obteve qualquer resposta.

"Esperamos conseguir demovê-las desta sua intenção", mas caso isso não ocorra, o movimento irá "denunciar publicamente a nível nacional e internacional a sua conivência com o maltrato animal e nos casos das empresas comerciais envolvidas apelaremos também aos consumidores a um boicote sistemático e continuado que com certeza se irá reflectir nas vendas das suas lojas e produtos".

Em comunicado, o MATP, a Acção Animal e o Centro Vegetariano admitem a realização de "outras acções de protesto e boicote" caso o evento não seja cancelado.

Os subscritores do comunicado consideram que "os rodeios não são mais do que espectáculos de violência perpetrada sobre animais indefesos e de extrema crueldade".

"No decorrer destas actividades bezerros são atirados violentamente para o chão causando a ruptura de diversos órgãos internos levando o animal a uma morte lenta e dolorosa. Bois e cavalos sofrem lesões diversas incluindo distensão de ligamentos e tendões", acrescentam.

PM.

Lusa/fim

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG