Premium

O regresso de emigrantes a Arcos de Valdevez

O regresso de emigrantes a Arcos de Valdevez

Nos últimos anos, a Câmara de Arcos de Valdevez tem tentado fazer regressar ao concelho os emigrantes.

Desde programas que incentivam jovens a estudar nas escolas locais, até ao crescimento das áreas industriais que constantemente procuram funcionários para responder às necessidades, tudo tem sido motivo para convencer quem trocou Arcos de Valdevez pelo estrangeiro a voltar à terra de origem. Regressaram pelo menos 200 desde 2014.

Joaquim Lage Neto é um dos emigrantes que regressaram à terra há três anos. Chefe de cozinha de profissão, esteve emigrado em Bordéus, França, durante 22 anos e decidiu voltar. Natural do Soajo, reabriu o restaurante O Videira, onde serve pratos típicos e algumas criações próprias, fruto de tantos anos de profissão. "Desde os 15 anos que trabalho na área, sempre na cozinha, agora decidi aventurar-me e estou sozinho na cozinha", conta, acrescentando que o que o fez regressar foi, acima de tudo, as saudades da família, mas não se arrepende, até porque o aumento de turistas ajuda ao sucesso do negócio.