Arcos de Valdevez

Revolta do povo travou instalação de floreiras em aço no centro do Soajo

Revolta do povo travou instalação de floreiras em aço no centro do Soajo

A população revoltou-se e a instalação de floreiras e bancos na praça central da vila do Soajo, em Arcos de Valdevez, para impedir o acesso e estacionamento de viaturas, foi suspensa.

A obra no valor de cerca de 60 mil euros estava em curso, mas na última semana alguns vasos foram vandalizados e a GNR foi chamada ao local. No sábado, realizou-se uma assembleia de freguesia, onde o assunto foi alvo de intervenções do público, e, segundo confirmou o presidente da junta, Manuel Barreiras da Costa, a obra acabou por ser suspensa.

Em causa está o projeto de remodelação do Largo do Eiró, no centro da vila de Soajo, com o qual, segundo o autarca, "a população não concorda". O autarca relatou ao Jornal de Notícias na última semana, após vandalização de floreiras, que a intervenção que tornará o espaço "apenas permitido à entrada de moradores e cargas e descargas", tem sido alvo de manifestações de descontentamento de populares.

Durante a noite da última segunda para terça-feira, "foram arrastadas floreiras, provocando danos". O Comando Territorial da GNR de Viana do Castelo confirmou a versão do autarca e tomou conta da ocorrência, referindo ainda que a empresa manifestou que "iria fazer levantamento dos estragos para apresentar queixa".

O Largo do Eiró é a praça principal de Soajo, onde se realizam as festas e feiras de produtos locais.