Mau tempo

Força do mar escava praia de Moledo e desenterra estrutura de defesa da costa

Força do mar escava praia de Moledo e desenterra estrutura de defesa da costa

A força do mar escavou a praia de Moledo e deixou a descoberto os geocilindros de areia, aplicados como forma de defesa da costa.

A estrutura em tubo, preenchida com areia e enterrada ao longo do areal, foi desenterrada e a ondulação ameaça atingir o pinhal do Camarido.

O presidente da Câmara de Caminha, Miguel Alves, desdramatiza a situação. "Não estamos assustados, estamos preocupados", disse o autarca, referindo a Agência Portuguesa do Ambiente (APA), com quem terá contactado esta sexta-feira, "está a acompanhar a situação".

O autarca considera que naquela praia "está a acontecer o que é suposto acontecer". "Aquela proteção foi colocada precisamente para enfrentar estas situações e consolidar a duna. É normal que num acosso como este das ondas do mar fique a descoberto o geocilindro e depois volte a ser coberto pela areia que há de voltar", explicou.

"Se correr mal, e pode acontecer porque aquela zona está muito sujeita a erosão costeira, rompe o geocicilindro que é biodegradável e fica a areia", acrescentou.

Sobre a possibilidade do mar atingir o pinhal, Miguel Alves, disse: "Pode acontecer. Existe sempre o risco. Em 2014 o paredão de Moledo foi abaixo com a força das ondas. Há sempre um risco. O nosso cordão dunar e a nossa costa estão sujeitos a um risco muito elevado".

E concluiu: "O Plano de Ordenamento da Orla Costeira e o PDM de Caminha vão proibir construção numa faixa de 50 metros desde o mar para o interior. Os tempos são outros e há um risco. Não é um risco elevado, mas estamos com a preocupação de dever ter perante fenómenos naturais".

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG