Ponte de Lima

Testemunho do Mordomo da Cruz de Fontão passa entre irmãos

Testemunho do Mordomo da Cruz de Fontão passa entre irmãos

António Norberto chorou e os filhos já homens feitos também. O empresário do ramo das madeiras, natural de Fontão, Ponte de Lima, é o novo Mordomo da Cruz de Fontão. Foi o irmão, Orlando Fernandes, Mordomo deste ano que lhe "pregou a partida".

Em 2020 terá de organizar o almoço de Páscoa para a freguesia. E Norberto de 61 anos e os filhos Alexandre, com 26, e António, com 31, não contiveram as lágrimas. "É muita emoção. Não contava. Acho que a minha mulher e os filhos já sabiam. Eu fui o último a saber", disse o novo Mordomo, comentando: "Quem nasce em Fontão está sujeito. Este ano calhou-me a mim".

Ao contrário dos homens da família, que por brincadeira chamou de "chorões", a esposa Irene Gonçalves, com 54 anos, aguentou-se, sorridente e feliz com a passagem de testemunho. "Foi o irmão que lhe entregou e nós temos muito gosto em recebê-lo. Estou duplamente satisfeita porque faz cinquenta anos que o meu pai organizou esta Páscoa. Foi em 1969. Agora se Deus quiser vou fazê-la eu", declarou.

Quinhentas e setenta pessoas sentaram-se à mesa em Fontão, Ponte de Lima, este domingo para celebrar uma das mais típicas e maiores Páscoas do país. Manda a tradição que o Mordomo da Cruz organize um almoço para a freguesia, e, este ano, o responsável foi o empresário José Orlando Fernandes. Acompanhado da mulher Anabela e dos filhos Orlando e Teresa, e apoiado por amigos, familiares e muitos conterrâneos, organizou uma festa que começou já passava das 14 horas. Orlando chegou carregando a cruz e os seus convivas receberam-no com cânticos de Aleluia e aplausos. "A Páscoa é nossa, a Páscoa é nossa e há-de ser. A Páscoa é nossa até morrer", cantaram em uníssono os comensais.

"Estou completamente feliz", disse à chegada o anfitrião, comentando que com "generosidade", se organiza (e paga) a festa pascal de grandes dimensões. Ementa: enchidos minhotos, creme de legumes, filetes de pescada, cabrito, e sobremesas, arroz doce, leite creme, fruta e bolo da Páscoa.

A meio da refeição foi cumprido o ritual de passar o testemunho ao próximo Mordomo, o que, segundo Orlando, é sempre recebido em alegria. "Os homens de Fontão todos querem ser Mordomo. Faz parte da alma fontanense", disse.

A tradição tem passado de geração em geração, e, por vezes, dentro da mesma família como aconteceu este ano. Qualquer homem nascido em Fontão tem de estar preparado para assumir a nobre função. Já este domingo, com o testemunho acabado de receber das mãos do irmão, António Norberto, prometeu: "Estou aqui com a cruz, estou a olhar e já sei quem é para o ano".

A mulher Anabela reconhece: "foi trabalhoso, mas foi igualmente prazeroso. Tivemos de parar a nossa vida quotidiana e dedicar-nos a esta festa, mas é uma coisa fantástica que nos sensibiliza, porque toda a gente nos quer ajudar, estar presente ou dar alguma coisa. É uma festa que vai deixar saudades". Tal como deixou a sua festa de casamento há 26 anos, mas que teve 120 convidados. "É diferente por causa da dimensão, mas é uma sensação semelhante, por se gostar do que se está a fazer", comentou.

Imobusiness