Bombeiros

Temperaturas dificultam combate a incêndio num armazém em Ponte de Lima

Temperaturas dificultam combate a incêndio num armazém em Ponte de Lima

As elevadas temperaturas que se fazem sentir, este sábado, em Ponte de Lima, estão a dificultar o combate dos bombeiros a um incêndio num armazém de resíduos de plástico e papel em Vitorino das Donas.

Segundo o Comandante do Bombeiros de Ponte de Lima, Carlos Lima, o fogo "está neste momento confinado ao espaço" onde deflagrou, depois de "ter alastrado a uma zona florestal e ter sido dominado".

"O incêndio está confinado a paredes e estamos a arrefecer o local. É num armazém ao ar livre e o dano que está a provocar é reduzido, para além da matéria-prima. Neste momento, não há qualquer perigo. O maior perigo são os bombeiros que estão no combate, o resto está tudo seguro", afirmou o responsável ao JN, adiantando que o combate está a ser dificultado pelas "temperaturas elevadas que se fazem sentir no local".

"Estamos a falar de plástico e de papel, e o plástico só por si já faz umas temperaturas complicadas, mais a temperatura ambiente desta tarde, que está elevada e que leva rapidamente os bombeiros à exaustão e à desidratação. Estamos a renovar equipas", disse ainda, acrescentando que "foi acionada uma ambulância para o local, de prevenção", caso seja necessário assistir algum operacional.

O incêndio industrial na empresa Gintegral (Gestão de Resíduos Orgânicos, Plásticos e Resíduos Banais) deflagrou cerca das 17 horas, segundo fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo. Estão no local 15 viaturas e 41 bombeiros das corporações de Ponte de Lima, Caminha, Arcos de Valdevez e Ponte da Barca. E duas patrulhas da GNR.

Às 17.04 horas, o fogo alastrou à floresta e obrigou à intervenção de um meio aéreo e equipas dos Sapadores e Voluntários de Viana do Castelo e Sapadores Florestais de Ponte de Lima.