Abandono

Alto Minho revoltado soma mortes em lares de idosos

Alto Minho revoltado soma mortes em lares de idosos

Há falta de funcionários, médicos e enfermeiros. Há idosos infetados com Covid-19 e outros que regressam dos hospitais para lares que não têm condições de os receber.

Autarcas e misericórdias do Alto Minho unem-se nas queixas "ao abandono" dos utentes das residências para a terceira idade, por parte das autoridades de Saúde, numa altura em que a região continua a somar mortes nestas instituições.

Ontem, foram confirmados mais dois óbitos no Lar Pereira de Sousa, em Melgaço, elevando para quatro o número de vítimas no equipamento. O número de infetados no país também continua a crescer.

A morte de dois utentes foi confirmada pelo Município de Melgaço. Poucos dias antes, Jorge Ribeiro, provedor da Santa Casa da Misericórdia local, a que pertence o lar, tinha acusado as autoridades de Saúde de "comportamento criminoso". "O INEM recusou-se a fazer o transporte de dois utentes, ambos com febre há vários dias e imunidade muito baixa, dizendo que não reuniam critérios, pelo que tiveram que permanecer aos cuidados do lar", exemplificou o responsável à Lusa, lembrando que, além das vítimas mortais, há 19 utentes infetados.

Desinfeção

A estrutura vai ser hoje alvo de desinfeção e os cerca de 30 utentes que ainda não foram atingidos pelo novo coronavírus, vão ser deslocados. O mesmo procedimento será adotado no Lar de Santiago, da Misericórdia de Viana do Castelo, que também vai ser desinfetado hoje. Neste caso, a operação implicará a retirada, temporária, de 18 utentes com autonomia.

O primeiro caso confirmado na instituição ocorreu na passada quinta-feira, de uma utente de 90 anos, que acabou por morrer. Os responsáveis, que clamam por voluntários, têm três idosos e duas funcionárias infetadas, mas aguardam resultados de 17 testes.

PUB

Testados no Porto

No Porto, um rastreio feito pela Câmara Municipal em 54 lares da cidade identificou, até ontem, 29 pessoas com testes positivos à Covid-19, a maioria dos quais funcionários das instituições. "Dos 3111 testados, existem já resultados laboratoriais para 2620 utentes e funcionários de 45 lares. Vinte e oito desses testes foram inconclusivos e serão repetidos e 29 testaram positivo, sendo 20 funcionários e apenas nove idosos", esclareceu o Município.

Em Vila do conde, há 62 utentes e funcionários infetados no Centro de Apoio e Reabilitação de Pessoas com Deficiência de Touguinha, que engloba um lar.

A Sul, no Lar Cristo Rei, na Caparica, em Almada, há 15 utentes e quatro funcionários infetados. A direção técnica, Cláudia Louvado, alertou que a instituição necessita de "pessoas para poder equilibrar o serviço".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG