Estudo

Universidade do Minho avalia estado de conservação de 54 travessias em Viana

Universidade do Minho

Foto Miguel Pereira/global Imagens

O Departamento de Engenharia Civil da Universidade do Minho (UMinho) vai desenvolver um estudo para aferir o estado de conservação e risco de 54 travessias no concelho de Viana do Castelo.

O projeto a executar ao longo de um ano vai permitir criar uma base de dados com "o bilhete de identidade" de cada uma das pontes e determinar se estas necessitam de manutenção ou substituição. A ação resulta de uma parceria entre a UMinho e a Câmara Municipal de Viana do Castelo, que esta terça-feira realizaram uma apresentação conjunta naquela cidade.

"Viana do Castelo é a primeira no país a ter um sistema avançado e em parceria com uma entidade científica, que tem desenvolvido trabalho a nível internacional nesta temática", declarou José Matos, do Departamento de Engenharia Civil, adiantando que o modelo de inspeção e sistema de gestão de infraestruturas a aplicar naquele município já está no terreno em países como Espanha e Alemanha. Visa estudar "o estado de conservação e fatores de risco" e criar uma "base de dados" com informação útil para a programação de intervenções e prevenção e segurança rodoviária.

E permitirá, em última instância, prevenir eventuais incidentes que possam suceder fruto da degradação das travessias. "As infraestruturas estão sujeitas a eventos extremos. Temos de tratá-las bem para evitar situações como a que aconteceu na ponte Hintze Ribeiro (em Entre os Rios)", disse.

O projeto tem o prazo de execução de um ano e o resultado será colocado ao serviço da Câmara Municipal. "São 54 obras de arte, pontes, pontões, existentes em todo o concelho, que vão ser objeto de uma análise, verificação, monitorização e de um relatório, para depois passarmos à fase seguinte da intervenção de manutenção, de conservação ou até de substituição", declarou o presidente da Câmara, José Maria Costa, referindo que será criada uma plataforma com registo de cada uma das infraestruturas "para que os serviços técnicos possam ter uma ferramenta útil que permita programar intervenção".