O Jogo ao Vivo

Direitos humanos

Aristides de Sousa Mendes dá nome a praça em Viana do Castelo

Aristides de Sousa Mendes dá nome a praça em Viana do Castelo

O antigo cônsul português Aristides Sousa Mendes, que salvou 30 mil pessoas do Holocausto, foi homenageado esta quinta-feira em Viana do Castelo, com a inauguração de uma praça junto ao mar. Foi descerrada um placa alusiva na Praia Norte, onde se lê uma frase sua: "Se há que desobedecer, prefiro que seja a uma ordem dos homens do que a uma ordem de Deus".

A homenagem foi prestada pela Câmara Municipal de Viana do Castelo, neste 10 de dezembro, data de comemoração do Dia Internacional dos Direitos Humanos, e contou com a presença de um neto do antigo cônsul de Bordéus, Gerald Tremblay de Sousa Mendes, que ocupa o cargo de Presidente do Conselho Geral da Fundação Aristides Sousa Mendes. E também de João Lourenço, Presidente do Comité Aristides Sousa Mendes em Bordéus. Além do "batismo" da praça também foi apresentado o livro de Ana Cristina Luz "A lista de Aristides Sousa Mendes". E de seguida exibido o filme "O Cônsul de Bordéus", de José Mazeda e Francisco Manso, que foi gravado em 2011 em Viana do Castelo.

Aristides de Sousa Mendes, nasceu em 19 de julho de 1885 em Cabanas de Viriato, concelho de Carregal do Sal, na Beira Alta e morreu em 3 de abril de 1954. Deixou 14 filhos e hoje tem "mais de 100 descendentes espalhados pelos EUA, Bélgica, França, Canadá e Portugal", segundo Gerald. "É muito importante para a família, 80 anos depois dos eventos, a reabilitação de Aristides Sousa Mendes, principalmente neste Dia Internacional dos Direito Humanos. Tem um grande significado porque hoje há muitos refugiados no Mundo", comentou o neto do antigo cônsul. O avô "é recordado internacionalmente e o seu reconhecimento é universal", referiu.

O Presidente da Câmara de Viana do Castelo, José Maria Costa, destacou os feitos humanitários do homenageado e aludiu à importância de "se ter reabilitado Aristides Sousa Mendes como uma figura importante". "Nós todos como Humanidade, temos um dever de gratidão e de memória para com Sousa Mendes", declarou. "Depois de ver o filme «O Cônsul de Bordéus» e das peripécias que me contaram sobre o Aristides Sousa Mendes, deixei-me apaixonar por esta figura notável portuguesa e pelo seu grande sentido de humanidade", confessou o autarca.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG