JN Rede de Notícias

Covid-19 foi "devastadora" para adegas e produtores de Monção e de Melgaço

Covid-19 foi "devastadora" para adegas e produtores de Monção e de Melgaço

O presidente da Comissão de Viticultura da Região dos Vinhos Verdes (CVRVV), Manuel Pinheiro, considera que a covid-19 foi "devastadora" para adegas e produtores da sub-região Monção/Melgaço.

"Durante o último mês e meio os restaurantes estiveram fechados. Os produtores viram esse canal completamente fechado. Compensou os supermercados e a exportação continuarem a funcionar, embora a um ritmo mais lento", reconhece Manuel Pinheiro, assegurando que o facto acabou por ser benéfico unicamente para os grandes produtores. "Os mais pequenos, que vendem na economia local, viram todos os seus canais de venda fechados", acrescenta.

Para Manuel Pinheiro, "é o momento de contra-atacar". Num périplo efetuado por várias adegas dos dois concelhos vizinhos, o presidente da CVRVV repetiu a mensagem de que chegou a hora dos produtores "saírem lá fora e recuperar o mercado que nos escapou".

A CVRVV está já a colocar no terreno uma campanha de promoção nacional do vinho verde. "Por outro lado, o Ministério da Agricultura anunciou um apoio para os produtores. As candidaturas estão abertas e o valor dependerá das candidaturas que os produtores possam apresentar", explica Manuel Pinheiro.

"Nos apoios do Ministério da Agricultura, há duas linhas. A destilação não é interessante para os Alvarinhos, dado que são vinhos de elevado valor. Mas, para os produtores, será muito interessante uma candidatura ao subsídio de armazenagem", recomenda o dirigente. "Significa que os vinhos que têm em casa vão proporcionar uma renda mensal enquanto esperam por mercado."

Leia mais em Rádio Vale do Minho

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG