Ensino

Erasmus duplica financiamento para apoiar 20 milhões de estudantes até 2027

Erasmus duplica financiamento para apoiar 20 milhões de estudantes até 2027

O novo programa Erasmus+ tem uma dotação financeira de 26,6 milhões de euros, praticamente o dobro em relação ao anterior, e deverá duplicar o número de estudantes a apoiar até 2027.

Segundo o vice-presidente da Comissão Europeia (CE), Margaritis Schinas, que apresentou o programa esta sexta-feira à tarde em Viana do Castelo, o objetivo é poder chegar aos 20 milhões de beneficiários nos próximos sete anos. Com 35 anos de existência, o Erasmus beneficiou até agora cerca de 10 milhões de estudantes universitários na Europa e deverá, nesta nova fase, "tornar-se, não uma opção, mas um direito fundamental a que todos os europeus aspiraram".

Margaritis Schinas adiantou que aquele programa que "simboliza o dinamismo europeu", deverá "ser mais inclusivo, apoiar a transição verde e digital, e promover a participação dos jovens na vida democracia".

O ministro da Ciência e Ensino Superior, Manuel Heitor, defendeu a "democratização do Erasmus", que até agora beneficiou "10%" da população estudantil europeia, assinalando Portugal como "um dos países com maior penetração no programa".

"Um em cada dez estudantes portugueses participou no Erasmus", disse, adiantando que o objetivo é "triplicar" o número de participações de nacionais. E, a nível global, "a ambição é que, até 2027, 70% da população participe" no novo Erasmus e que neste se envolvam "dez vezes mais instituições de ensino".

Da parte da manhã, foi apresentado por Margaritis Schinas, também, o novo Corpo Europeu de Solidariedade (CES), que financiará em mais de mil milhões de euros cerca de 270 mil voluntários dos países-membros nos próximos sete anos.

PUB

A renovação do programa privilegia a mobilização de jovens para ações de recuperação da covid-19, transição digital e apoio humanitário, pela primeira vez em países terceiros. O vice-presidente da CE considerou o CES um exemplo da solidariedade preconizada pelo projeto europeu de Robert Schuman há 70 anos. Referiu que a Europa "vive um momento histórico de solidariedade", lembrando que a renovação daquele programa, com reforço orçamental, acontece "numa semana em que alcançamos um marco essencial com uma operação de angariação de fundos coletiva de mais de 20 mil milhões de euros".

Declarou ainda, quanto ao Corpo Europeu de Solidariedade, que "mais de 350 mil europeus, dos quais 12 mil portugueses inscreveram-se" e destacou que "quatro em cinco voluntários dizem que adquiriram competências que consideraram úteis para a sua a carreira futura".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG