O Jogo ao Vivo

Viana do Castelo

Pescadores ponderam boicotar procissão da Romaria d'Agonia

Pescadores ponderam boicotar procissão da Romaria d'Agonia

O boicote à Procissão ao Mar da Romaria d"Agonia, em Viana do Castelo, no próximo dia 20, é uma das medidas de luta acertadas pelos pescadores da região, que reclamam compensações pela instalação da central eólica WindFloat Atlantic (WFA).

Os profissionais de pesca local entre Caminha e Castelo de Neiva já tinham ameaçado impedir a colocação do cabo submarino que ligará o empreendimento. Aguardam agora por uma posição do secretário de Estado das Pescas, José Apolinário, antes de avançar.

"O presidente da Câmara de Caminha disse-nos que há uma janela de oportunidade, que está em conversações e que poderá haver alguma novidade" hoje ou amanhã, declarou ontem Augusto Porto, presidente da Associação de Profissionais de Pesca do Rio Minho e Mar, referindo que, após encontro na quarta-feira com o autarca de Viana, José Maria Costa, reuniram os representantes dos "78 pescadores locais da costa entre Caminha e Castelo de Neiva", e deixaram alinhadas ações de luta para o caso de não serem compensados.

"Deixamos possibilidades em aberto: boicotar a saída dos barcos da procissão ao Mar, sendo que os pescadores de Viana também estão nisto, e cortar a estrada de acesso ao local onde o cabo vai ligar a terra na praia Norte. Estamos atentos, para perceber se o cabo chega por terra ou por mar".

Na origem da contestação está o facto de os pescadores locais terem sido excluídos do processo negocial de compensações, mediado por José Apolinário, e em que participaram a cooperativa VianaPesca e a associação Promaior. E que determinou o pagamento de um milhão de euros a 16 barcos de pesca costeira.