Desaparecimento

12 horas de buscas infrutíferas no Minho para encontrar triatleta

12 horas de buscas infrutíferas no Minho para encontrar triatleta

As autoridades espanholas e portuguesas suspenderam as buscas no rio Minho para encontrar o triatleta de Barcelos desaparecido na água desde domingo.

Os trabalhos prolongaram-se por cerca de 12 horas, envolvendo 60 operacionais e meios aéreos, terrestres e aquáticos, com dois sonares da Marinha de Portugal e Espanha e quatro equipas de mergulho. E foram infrutíferos. Serão retomadas amanhã, às primeiras horas do dia, sob coordenação da Capitania do Porto de Caminha e da Comandancia Naval Del Miño. Os primeiros meios deverão chegar ao terreno, cerca das 6 horas.

Esta segunda-feira, os mergulhadores sondaram as principais zonas, com maior probabilidade de encontrar o corpo de Rafael Sá de 23 anos. A maior delas, um "poço com 27 metros de profundidade", existente no local onde o triatleta foi visto a pedir ajuda antes de desaparecer nas águas. Os sonares tinham detetado duas possíveis localizações do cadáver, os mergulhadores submergiram e apenas encontraram "uma rocha e um tronco de madeira". O perímetro das buscas foi alargado, mas os meios desmobilizaram, a cair da noite, sem sinal do jovem.

"A esperança mantém-se. A probabilidade de o encontrar é que se torna mais pequena. A área de busca vai aumentando e é mais difícil para os operacionais definir o local onde o possamos encontrar. No entanto, as primeiras 48 horas após o incidente são decisivas, portanto vamos manter o dispositivo nesse espaço de tempo", declarou o Comandante da Capitania do Porto de Caminha, Pedro Cervaens.