Câmara

Cerveira abre balcão para resolver "irregularidades e inconformidades" nas faturas da água

Cerveira abre balcão para resolver "irregularidades e inconformidades" nas faturas da água

A Câmara de Vila Nova de Cerveira anunciou que vai abrir na segunda-feira um balcão de apoio para ajudar a resolver reclamações dos munícipes em relação às faturas da água.

A iniciativa surge devido à falta de resposta aos clientes por parte da empresa Águas do Alto Minho (AdAM), que entrou em atividade em janeiro. Em comunicado divulgado no sábado à tarde, a autarquia justifica a medida com "as inúmeras irregularidades e inconformidades das faturas de janeiro e que se estão a repetir em fevereiro".

"Considerando que as instalações da AdAM, sitas em Vila Nova de Cerveira, se encontram encerradas e as chamadas telefónicas não são atendidas. No seguimento de diligências efetuadas junto da AdAM, que até ao momento não obtiveram o resultado esperado, a Câmara Municipal de Cerveira, decidiu criar a partir de segunda-feira, dia 20, um Balcão de Apoio Presencial, no edifício dos Paços do Concelho, que se destina a dar apoio aos munícipes a apresentar as sua reclamações", informa o município, referindo que, caso se justifique, seguir-se-ão outras medidas que a Câmara considere necessárias.

Recorde-se que a contestação à AdAM, em atividade há quatro meses, tem subido de tom na região do Alto Minho. Em causa os preços praticados pela empresa e também erros de faturação.

Na quinta-feira, um funcionário da Câmara de Caminha e secretário da Junta de Freguesia de Vila Praia de Âncora recebeu uma conta da água e saneamento de 50 688,10 euros, por três semanas de consumo. A AdAM justificou tratar-se de um valor emitido indevidamente em resultado de uma "anomalia do sistema".

Uma petição online desde 12 de março e que conta hoje com mais de 7300 assinaturas, pede "a revogação do contrato" de concessão do serviço à empresa do grupo Águas de Portugal. E que a gestão volte para as autarquias, "com isso regressando aos valores faturados" até dezembro de 2019. A coordenadora da CDU no Alto Minho, Cláudia Marinho, que sempre se bateu contra a nova empresa, anunciou já que vai avançar com uma proposta, em sede de executivo municipal e de Assembleia Municipal de Viana do Castelo, para que a água e saneamento sejam reassumidos pelos municípios.




Outras Notícias