Morte

Idosa morre à espera que dois hospitais decidam quem a deve tratar

Idosa morre à espera que dois hospitais decidam quem a deve tratar

O Centro Hospitalar de Trás-Montes e Alto Douro abriu um processo de averiguações para apurar a existência ou não de negligência hospitalar no caso da morte de uma idosa de 79 anos, que na passada sexta-feira morreu no hospital de Chaves, após um enfarte agudo de miocárdio.

A mulher terá morrido no hospital flaviense à espera do helicópetero do INEM e após algum tempo de discussão entre os hospitais de Chaves e Vila Real sobre que unidade deveria tratar a doente.

O hospital de Chaves está sem serviço de Cardiologia à noite e ao fim-de-semana desde dezembro do ano passado, altura em que a administração do Centro Hospitalar decidiu acabar com o sistema de serviço à chamada que era assegurado por dois cardiologistas. Desde então, casos urgentes da especialidade são encaminhados para Vila Real, onde existe a chamada Via Verde Coronária.

Em declarações ao JN, o assessor da Administração Regional de Saúde do Norte, Antonino Leite, garantiu que o inquérito já está a decorrer e que só depois das conclusões, a entidade que coordenada a saúde na região poderá pronunicar-se sobre o caso.

A perda de serviços de especialidade por parte da unidade de Chaves já levou o presidente da Câmara de Chaves a solicitar várias audiências com a ARSN.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG