Mondim de Basto

Escolas fechadas viram casas, museus e capelas mortuárias

Escolas fechadas viram casas, museus e capelas mortuárias

É o retrato da desertificação do interior: numa década, fecharam quase 800 escolas primárias em Trás-os-Montes. Não há crianças. Os edifícios são agora casas, sedes, museus e, até, capelas mortuárias.

A "imagem é cruel", mas Humberto da Costa Cerqueira, presidente da Câmara de Mondim de Basto, admite que é a realidade das aldeias: vendem-se as escolas para ampliar os cemitérios. "É a lei da vida", desabafa o autarca, lembrando que o concelho foi perdendo, em média, 40 alunos por ano. das 25 escolas primárias que havia em 2005, resta uma.

A situação repete-se em todos os municípios transmontanos. Contactadas todas as câmaras dos distritos de Vila Real e de Bragança, os dados espelham a razia: há 10 anos havia mais de 946 escolas primárias, agora são só 151. Criaram-se centros escolares modernos, com melhores condições, onde se juntaram as crianças de várias aldeias. As escolas com poucas crianças foram desativadas.

Leia mais na edição e-paper ou na edição impressa

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG