Sabrosa

Incêndio com três mortos "terá a ver com sistemas de aquecimento"

Incêndio com três mortos "terá a ver com sistemas de aquecimento"

O incêndio numa habitação que causou três vítimas mortais, na madrugada desta sexta-feira, em Sabrosa, no distrito de Vila Real, "terá a ver com sistemas de aquecimento", adiantou José Barros, o comandante dos bombeiros de Sabrosa.

"O alerta foi dado por volta das cinco horas da manhã. Deparamos com um cenário de incêndio urbano, com algumas complicações, nomeadamente pela excessiva temperatura que existia no interior da habitação e pelo fumo. Foram dois fatores que contribuíram para que o combate não evoluísse com a velocidade que nós pretendíamos. As operações demoraram cerca de 45 minutos", explicou.

PUB

Quanto à origem do incêndio, embora sem certezas, colocou a hipótese de se tratar de um incidente relacionado com os sistemas de aquecimento no interior da casa. "A instalação elétrica mantinha-se ligada. A ter existido um problema no sistema elétrico, ele estaria desligado. Por isso, parece-me que terá a ver com sistemas de aquecimento", referiu.

"O alerta chegou ao quartel dos bombeiros, via CDOS de Vila Real. Quando chegamos ao local, os dois jovens já estavam na rua. Eles deram uma colaboração preciosa, no sentido de nos ajudar a identificar os vários compartimentos e onde estariam as vítimas", afirmou o responsável, acrescentando que "as vítimas já não apresentavam qualquer sinal vital".

"As chamas ficaram contidas só à habitação, e apenas a um quarto, e não às casas vizinhas", anotou.

Os dois jovens, de 16 e 20 anos, que também viviam na habitação e escaparam ao fogo, "não sofreram ferimentos". Segundo José Barros, após as operações no terreno, os bombeiros "encaminharam-nos para uma instalação que o Município disponibilizou" e a partir daí ficaram com os "técnicos do INEM".

Para o combate às chamas foram mobilizados 15 bombeiros e várias viaturas. Também a GNR esteve no local, assim como o INEM e elementos da Proteção Civil.

Alojamento para os jovens

A presidente da Câmara Municipal de Sabrosa, Helena Lapa, também esteve no local do incêndio, de manhã, para se inteirar do sucedido e prestar apoio.

"Quando os bombeiros chegaram, já pouco havia a fazer. Os jovens saíram pela janela do quarto. O mais velho teve o discernimento de ligar e chamar os bombeiros. Ainda tentou entrar em casa, para fazer alguma coisa, porque terá ouvido gritos, mas já nada conseguiu", disse a autarca.

No rescaldo do incêndio, que vitimou a mãe e os avós, os "jovens foram ouvidos" pelas autoridades, que trataram das "perícias".

Quanto ao acolhimento, "surgiu uma familiar que vai assegurar essa questão de modo temporário". Segundo Helena Lapa, o caso está a ser seguido pela ação social e pela Autarquia. "Estamos articulados para minimizar o impacto desta catástrofe", garantiu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG