Concentração

Vigília em Valpaços contra maus tratos a idosos em lares

Vigília em Valpaços contra maus tratos a idosos em lares

Pouco mais de 100 pessoas concentraram-se, esta quinta-feira à noite, no jardim público de Valpaços, numa vigília contra maus tratos a idosos que vivem em lares de terceira idade.

A concentração foi organizada por Jorge Araújo, o enfermeiro que recentemente denunciou a existência de maus tratos no Lar de São José, naquela cidade, após ter visualizado imagens de vídeo gravadas no quarto que os pais ocupavam. Segundo disse, provam o tratamento que considera ser "desumano" e, por isso, avançou com uma "queixa em tribunal" contra a Santa Casa Misericórdia de Valpaços, que gere o lar.

O pai de Jorge, António Araújo, morreu, com 93 anos, em meados de janeiro. Para esclarecer as causas da morte, o filho exigiu que fosse realizada a autópsia e ainda aguarda os resultados. A mãe, de 92 anos, foi retirada da instituição e colocada numa família de acolhimento.

Na sequência da polémica, a Santa Casa da Misericórdia suspendeu temporariamente nove funcionárias daquele lar, até que fique concluído o inquérito interno. Também apresentou uma queixa contra incertos no Ministério Público e foi requerido que desenvolvesse as diligências necessárias para, nas "filmagens em poder de familiares de António Araújo, identificar as pessoas [suspeitas de maus tratos no lar] para poder atuar disciplinar e criminalmente" contra elas.

Os participantes na vigília desta noite guardaram um minuto de silêncio pelas vítimas de maus tratos nos lares e assistiram a alguns vídeos com depoimentos de dirigentes associativos e personalidades que vincaram a necessidade de lutar contra este problema.

"Hoje por eles, amanhã por nós". Foi assim que Mónica Lopes, umas das participantes, justificou a presença na vigília. "Se há coisa que eu respeito são as pessoas idosas e no fim da nossa vida devemos ter sempre alguma dignidade. Respeito acima de tudo".

Por seu lado, Sebastião Neves lamentou que não estivessem mais pessoas na vigília, "pelo menos umas duas ou três mil". Na sua opinião, "é preciso que as pessoas acordem, porque isto que aconteceu ao senhor António [pai de Jorge Araújo] já aconteceu a muitas mais pessoas e ficaram caladas".

Maria Antónia Carvalho, residente em Mirandela, foi a Valpaços propositadamente para participar na vigília, por ser "solidária" com este tipo de iniciativas, já que "alertar para a necessidade de ter mais condições para tratar idosos". As pessoas selecionadas para aquelas funções, sublinhou, "deviam ser avaliadas e ter formação adequada, pois nem toda a gente está vocacionada para tratar dos mais velhos".

A vigília decorreu em simultâneo com o início de uma reunião da assembleia-geral da Santa Casa da Misericórdia de Valpaços, marcada com o objetivo de serem prestados esclarecimentos sobre o caso denunciado por Jorge Araújo.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG