País

Presidente da Junta de Ermida quer conhecer razões do encerramento da Linha do Corgo

Presidente da Junta de Ermida quer conhecer razões do encerramento da Linha do Corgo

O presidente da Junta de Ermida, José Borges, vai pedir uma audiência ao governador Civil de Vila Real, Alexandre Chaves, para apurar as razões do encerramento da linha ferroviária do Corgo, por decisão da REFER e da CP.

José Borges insurge-se contra esta decisão "por a população não ter sido informada e ninguém ter conhecimento dos transportes alternativos".

"Esta medida afecta dezena e meia de alunos na freguesia da Ermida (Vila Real), sendo também muito afectada a freguesia de Alvações do Corgo (Santa Marta de Penaguião)", frisou o autarca.

Em declarações à Lusa, o presidente da Junta de Ermida disse que vai convocar as populações afectadas pelo encerramento daquela linha ferroviária para uma manifestação a realizar na "próxima semana" em frente ao Governo Civil de Vila Real.

"Irei pedir autorização ao Governo Civil para promover esse protesto", acrescentou.

Na sequência da decisão de encerrar a Linha do Corgo, a população das freguesias situadas nas margens da linha-férrea do Corgo impediram, terça-feira à noite, em Carrazedo, a circulação do último comboio.

A CP e a REFER anunciaram terça-feira que as linhas ferroviárias do Corgo e Tâmega serão encerradas provisoriamente por razões de segurança até que sejam realizadas intervenções, previstas para se iniciarem dentro de quatro meses, e que a Linha do Tua continuará suspensa.

Em comunicado conjunto, a CP e a Refer explicaram que esta decisão surge por terem sido "identificados factos negativos relacionados com a condição técnica das linhas de bitola métrica do Tâmega, Corgo e Tua", após o inquérito aos acidentes na Linha do Tua, determinados pelo Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações de 24 de Outubro de 2008.

No seguimento do inquérito, "a REFER e a CP concluíram pela necessidade de suspender a operação do serviço ferroviário nas linhas do Tâmega e do Corgo, e manter a suspensão do serviço na Linha do Tua entre o Cachão e a Foz do Tua, até se executarem as intervenções necessárias ao cumprimento do normativo técnico estabelecido".