Aviação

Aeródromo municipal encerrado devido a abatimento na pista

Aeródromo municipal encerrado devido a abatimento na pista

O aeródromo municipal de Vila Real vai estar encerrado por tempo indeterminado devido a questões de segurança.

Com o abatimento de uma parte da pista, o aerodromo deixou de ter condições de ser usada por "aeronaves de asa fixa".

O presidente da Câmara de Vila Real, Rui Santos, explicou que o encerramento tem "implicações nas normais operações aéreas com aeronaves de asa fixa (aviões), particularmente nos voos comerciais desenvolvidos pela empresa Aerovip". O aeródromo recebe voos diários da carreira aérea que liga Trás-os-Montes ao Algarve.

As implicações estendem-se às operaçoes de combate a incêndios florestais com aeronaves de asa fixa. O aeródromo de Vila Real serve também de centro de meios aéreos de combate a incêndios, estando estacionados dois aviões anfíbios.

"Este encerramento não é extensível às aeronaves de asa rotativa (helicópteros), situação que não compromete o ataque inicial a incêndios florestais com o helicóptero estacionado no aeródromo de Vila Real", acrescentou o autarca.

Esta situação deve-se ao "abatimento transversal de um sector central da pista, detetado já em julho de 2018 e, entretanto, reparado". No entanto, essa intervenção revelou-se "insuficiente" face a novos abatimentos registados, segundo Rui Santos, "de junho deste ano até hoje" e que "não são já possíveis de solucionar com uma intervenção ligeira".

O autarca revelou que existe uma "fragilidade estrutural do solo nessa área da pista" que está a comprometer a sua segurança.