Vila Real

Túnel do Marão ainda sem solução à vista

Túnel do Marão ainda sem solução à vista

Numa altura em que termina o segundo prazo de suspensão das obras na Autoestrada do Marão, entre Amarante e Vila Real, a concessionária continua à procura de uma solução que lhe permita retomar os trabalhos.

A 27 de Junho e pela terceira vez desde o início da empreitada no Verão de 2009, as obras nesta autoestrada foram suspensas por 90 dias, prazo que, no final de Setembro, foi prolongado por mais 60 dias.

Cinco meses depois, o Ministério da Economia disse esta quinta-feira à Agência Lusa que a concessionária "continua à procura de uma solução que lhe permita estar em posição de instruir o empreiteiro a retomar os trabalhos".

O Estado está, acrescentou a fonte, "naturalmente, empenhado em que tal solução possa ser encontrada e, assim, se finalize uma obra que contribuirá, de forma relevante, para o desenvolvimento social e económico da região transmontana".

A concessionária da obra é a Autoestrada do Marão, que durante este período não se pronunciou sobre o assunto, e o consórcio construtor é o Infratúnel, constituído pelas empresas Somague e MSF.

Na semana passada, o secretário de Estado das Obras Públicas, Transportes e Comunicações afirmou que estão a ser negociados 200 milhões de euros de fundos comunitários para concluir as obras na Autoestrada do Marão.

Sérgio Silva Monteiro disse, na altura, esperar uma solução até ao final do ano. Apesar das diversas tentativas não foi possível, até ao momento, obter uma reacção por parte da concessionária.

Enquanto isso, no terreno empresas e trabalhadores aguardam pelo reinício dos trabalhos.

"Esta situação é insustentável para os trabalhadores, famílias e empresas. Muitos operários já emigraram à procura de emprego noutros países", afirmou o presidente do Sindicato da Construção de Portugal, Albano Ribeiro.

O responsável lamentou ainda nunca ter sido dada uma explicação para esta paragem".

Por sua vez, António Lima, que integra a administração da Construgomes, S.L., empresa especialista em obras de arte, disse à Agência Lusa a sua empresa está em conversações com a Infratúnel no sentido de retomar a obra "a muito curto prazo".

"É uma questão de dias. Ainda não acertamos o dia exacto, mas estamos de facto a ultimar os procedimentos para recomeçar a nossa empreitada no viaduto V3, não sei nada quanto o resto da obra", salientou.

Mário Rico, da PeterEmp Construções, LDA, explicou que o período pedido pela concessionária para a suspensão terminou.

"Uma vez que não houve mais comunicado nenhum a adiar o reinício das obras, estamos em crer que a qualquer momento pode começar. Já tivemos contactos, mas não acertaram nenhuma data connosco", acrescentou.

Esta empresa de Amarante estava a fazer o transporte do escombro da boca nascente do túnel para o vazadouro, bem como três subempreitadas de drenagem.

Agora, segundo Mário Rico, será necessário fazer novos contratos, porque os que havia se extinguiram. "Não sabemos ao certo quantos é que irão fazer connosco de novo", salientou.

A EPOS, responsável pela construção de parte do túnel, informou que "foi contactada pelo Infratúnel com vista ao recomeço das obras".

"Não temos, portanto, qualquer indicação se e quando as obras irão recomeçar", acrescentou.

A Autoestrada do Marão, que inclui a construção do maior túnel rodoviário português, com 5.665 metros, deveria estar concluída até 2012.

Esta obra dá sequência à A4, que liga o Porto a Amarante, e terá continuidade com outra empreitada em execução, a Autoestrada Transmontana até Bragança.