Sernancelhe

Professor de Sernancelhe acusa pai de agressão

Professor de Sernancelhe acusa pai de agressão

A agressão foi violenta, envolvendo murros e pontapés, de acordo com a queixa apresentada, na GNR, pelo coordenador do departamento de Expressão do Agrupamento de Escolas de Sernancelhe, Adriano Tomé, contra o presidente da Associação de Pais , João Aguiar.

A alegada agressão, aconteceu no passado dia 2, numa altura em que o professor alegadamente agredido acabara de fazer um pagamento numa caixa multibanco.

"Eram 18.09 horas, de acordo com a hora registada no talão. Fui abordado pelo presidente da Associação de Pais por causa de questões relacionadas com a escola, questões que me recusei discutir no meio da rua. Ele exaltou-se e agrediu-me com murros e pontapés", recorda o professor de 53 anos que, assegura, não reagiu.

"Fiquei a sangrar de uma orelha, com vários hematomas na cabeça, e ainda tenho marcas numa perna", descreve Adriano Tomé. Já depois de agredido, o professor dirigiu-se à GNR local. "Segui depois para o centro de Saúde, onde recebi tratamento, e voltei depois à GNR para apresentar queixa", recorda.

Já fez exames no Instituto de Medicina Legal de Viseu e, de acordo com a GNR, a queixa seguiu para o Ministério Público.

Contactado pelo JN, o presidente da Associação de Pais de Sernancelhe, João Aguiar, nega qualquer agressão. "É tudo mentira", diz. "Cruzei-me com ele (o professor) no dia 2 de maio por volta das 18 horas junto ao multibanco e não lhe devo ter dito mais do que boa tarde. De resto passou-se zero, e não houve qualquer discussão relacionada com a escola", garantiu.

O JN tentou, sem êxito, falar com a diretora do Agrupamento.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG