Covid-19

Câmara de Viseu não descarta cancelar celebrações de Natal e Passagem de ano 

Câmara de Viseu não descarta cancelar celebrações de Natal e Passagem de ano 

O presidente da Câmara de Viseu, Fernando Ruas, admitiu esta quinta-feira suspender as comemorações do Natal e da Passagem de Ano no concelho caso as autoridades de saúde assim o determinem.

No final da reunião do executivo municipal, o autarca disse aos jornalistas que a decisão final "não está nas mãos" da Câmara, mas sim das entidades de saúde.

"Podemos estar a definir um conjunto de atividades que depois sejam anuladas e, portanto, a melhor coisa é prevenir as pessoas e não lhes deixar espectativas muito elevadas. Respeitaremos aquilo que vier emanado da saúde", anunciou.

"Se nos disserem que é um risco fazer a Passagem de Ano não faremos", acrescentou.

Fernando Ruas garantiu que todos os cenários estão ainda em cima da mesa. As luzes de Natal serão ligadas a 1 de Dezembro, no Rossio, mas quanto ao resto das celebrações nada é ainda certo.

"Estávamos todos à espera de um Natal mais normal, mas estamos na defensiva e adequaremos estas festividades à cautela que nos for sendo transmitida pelas entidades da saúde", afirmou.

Nas duas últimas semanas o concelho de Viseu registou 422 novos casos de infeção por covid-19. A taxa de incidência situa-se nos 417 por 100 mil habitantes. Desde março do ano passado já se registou um acumulado de 10.330 infeções.

PUB

Ontem, em comunicado, a Comissão Municipal de Proteção Civil, face ao aumento dos casos no concelho, pediu "a toda a comunidade um empenho extraordinário" para travar a subida dos contágios, desaconselhando "todo e qualquer tipo de ajuntamentos potenciadores de contágios, nomeadamente a realização de jantares-convívio e festas de Natal, tradicionais nesta época, e que conduzirão a um cenário vivido no ano passado, com graves consequências já conhecidas".

A Comissão "apela ao maior cuidado na utilização das linhas e meios de emergência médica, destinadas apenas às situações críticas, de modo a reduzir o stress já verificado nas urgências hospitalares e nos meios de emergência pré-hospitalar".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG