Vouzela

Milhares no funeral do autarca vítima do incêndio em Vouzela

Milhares no funeral do autarca vítima do incêndio em Vouzela

Mais de duas mil pessoas participaram, esta quinta-feira, o funeral do presidente da Junta de Queirã, Joaquim Mendes, que morreu na sequência de queimaduras provocadas por um incêndio que ocorreu no concelho de Vouzela.

O corpo do autarca, de 62 anos, saiu de Quintela por volta das 17.00 horas, seguindo num cortejo fúnebre que se deslocou a pé durante cerca de 30 minutos, em direção à Igreja Paroquial de Queirã.

A entrada para a igreja decorreu por volta das 17.30 horas ao som de palmas e do sino, dando início à cerimónia religiosa presidida pelo Bispo de Viseu, Ilídio Leandro.

Ao todo estiveram presentes na igreja e nas imediações mais de duas mil pessoas, entre as quais o secretário de Estado a Administração Local, António Leitão, o presidente da Anafre, Armando Vieira, e o presidente honorário do PS, António Almeida Santos.

Durante a cerimónia religiosa, que se prolongou por hora e meia, o Bispo de Viseu destacou a atitude de Joaquim Mendes, que "quis salvar os bens e as vidas, dando sentido à sua missão de responsabilidade pela freguesia, que ia perder bens".

Na sua opinião, é merecido que se preste justa homenagem a um homem que lutou até ao fim pela sua freguesia.

A finalizar a cerimónia religiosa, duas homenagens ao autarca de Queirã: um momento musical de harmónicas e a leitura de um poema a um "líder sem par".

O corpo de Joaquim Mendes saiu da igreja como entrou, ao som das palmas e do sino, seguindo para o cemitério, a escassos metros.

O presidente da Junta de Freguesia de Queirã, Joaquim Mendes sofreu queimaduras num incêndio no concelho de Vouzela a 23 de agosto passado, acabando por morrer na terça-feira no Hospital de São João, no Porto.

O autarca tinha ficado com cerca de 60% do corpo queimado, quando ajudava a combater o incêndio.

Além do presidente da junta, ficou ferido no incêndio de Queirã um elemento da equipa de Sapadores Florestais de Vouzela, mas ligeiramente.