Nacional

Câmara de Ílhavo (PSD) recusa espaço ao PCP para debater a Revolução de Outubro

Câmara de Ílhavo (PSD) recusa espaço ao PCP para debater a Revolução de Outubro

O PCP manifestou hoje, em carta aberta ao presidente da Câmara de Ílhavo, a "mais profunda indignação pela recusa da cedência" de instalações tuteladas pelo município para realizar um debate e exposição sobre a Revolução de Outubro.

Na missiva dirigida a Fernando Caçoilo (PSD), os comunistas salientam ter pedido em novembro o 'foyer' do Centro Cultural de Ílhavo para realização de um debate e exibição de uma exposição sobre os 100 anos da Revolução de Outubro, mas só a 19 de janeiro lhe foi comunicada a recusa do espaço.

O que mais surpreende o PCP "são os termos utilizados para a rejeição da cedência do referido espaço, em que é dito que as atividades propostas "não se enquadram na planificação prevista" porque não contribuem para "valorizar o percurso histórico e valores identitários locais".

"O PCP considera que é esta uma desculpa de mau pagador por parte de quem atua na base do preconceito político-ideológico e gere a coisa pública como se fosse sua propriedade, desrespeitando os mais elementares princípios de convivência democrática entre forças políticas e sociais", assinala a carta aberta.

Aquele partido lembra que o espaço em causa já tem acolhido eventos como palestras sobre fadiga, sessões de yoga e peças autobiográficas sobre autores nascidos em Moçambique, estranhando por isso que não possa acolher um debate "sobre o que é indiscutivelmente um dos maiores acontecimentos do século XX - goste-se ou não dele - com impacto económico, político, social e cultural à escala planetária".

O PCP diz que pretende com a carta aberta afirmar que "não se resigna com atitudes antidemocráticas e discricionárias da autarquia de Ílhavo", mas também dar um sinal "de que nunca é tarde para corrigir um erro e, por isso, está disponível para que se encontre uma nova data, permitindo à Câmara de Ílhavo corrigir o erro que está em vias de cometer".

Contactado pela Lusa, o presidente da Câmara de Ílhavo, Fernando Caçoilo, escusou-se a reagir publicamente à carta aberta dos comunistas.