Nacional

Cidadãos de Vila do Conde lançam petição para debater preço da água

Cidadãos de Vila do Conde lançam petição para debater preço da água

Cidadãos de Vila do Conde estão a organizar uma petição pública para convocar uma assembleia municipal extraordinária destinada a debater o preço do abastecimento de água no concelho, disse hoje Luís Vilela, um dos envolvidos na iniciativa.

O serviço está atualmente concessionado a uma empresa privada, a Indáqua, mas os peticionários esperam que, com esta sua iniciativa, os responsáveis da Câmara Municipal acabem por "rever todo o contrato de concessão".

"Este é um movimento apartidário, que pretende defender os vila-condenses que têm sido sujeitos a sucessivos aumentos na sua fatura da água. Queremos, nessa assembleia municipal extraordinária, que todos os valores sejam revistos", explicou à Lusa Luís Vilela.

O peticionário, que já desempenhou funções de deputado municipal em anteriores mandatos, partilhou que decidiu organizar este movimento por achar que "na sociedade civil não havia ninguém disposto a lutar contra estes aumentos absurdos e que o atual executivo e oposição pouco têm feito para os travar".

"Ainda na última Assembleia Municipal afloraram o tema, mas a discussão foi nula. Além disso, a presidente de Câmara [Elisa Ferraz] disse que teve uma reunião com a empresa, e quando todos pensávamos que os aumentos iam parar, em janeiro a fatura subiu 6%", desabafou Luís Vilela.

O organizador disse compreender "que a Indáqua, como empresa privada, olhe para o lucro", mas aponta que existe "uma cláusula no contrato de concessão em que a Câmara tem de aceitar esses aumentos".

Luís Vilela garante que, em comparação com os concelhos vizinhos da Póvoa de Varzim, cujo sistema é gerido pela autarquia local, e Matosinhos, que está também concessionado à Indáqua, "a disparidade nos preços é evidente".

"Sabemos que o contrato tem de se cumprir, mas esta é uma concessão feita por 40 anos, e se os preços continuarem neste ritmo de aumento será incomportável. Achamos que falta dinamismo ao executivo para tratar do assunto, e estamos dispostos a ajudar inverter esta situação".

O organizador da iniciativa diz que, em Vila do Conde, são precisas 1.440 assinaturas para que seja convocada uma assembleia municipal extraordinária, e vincou que a petição que lidera já conta com mais de três mil subscrições.

"Já estamos habilitados a convocar a assembleia, mas apesar de estarmos bem documentados sobre o tema, estamos a reunir mais alguns elementos, sobre o contrato, que podem vir a ser importantes na discussão", partilhou.

Luís Vilela adiantou, ainda, que a recolha de assinaturas, que começou em fevereiro, deverá prolongar-se até ao final deste mês.

A agência Lusa tentou obter uma reação da presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde, Elisa Ferraz, sobre o tema, mas a autarca não quis tecer comentários.