Nacional

Cravista alemão Andreas Staier grava barroco português com orquestra da Casa da Música

Cravista alemão Andreas Staier grava barroco português com orquestra da Casa da Música

O cravista alemão Andreas Staier, artista associado em 2018 da Casa da Música, no Porto, inicia na sexta-feira a gravação de um disco, com a Orquestra Barroca Casa da Música e barroco português, pela editora internacional Harmonia Mundi.

O cravista assume também a direção musical da orquestra durante a gravação, marcada para a Casa da Música entre sexta-feira e 05 de fevereiro, já depois de concertos em Dijon, França, na terça-feira, e quarta-feira, em Ludwighafen, Alemanha, com a orquestra e o programa que constará no CD a ser editado pela Harmonia Mundi.

Staier tem colaborado frequentemente com o agrupamento portuense nos últimos anos, assinalando 2018, ano em que é um dos artistas associados da Casa da Música, com um disco que inclui obras do compositor português Carlos Seixas (1704-1748), um dos grandes nomes da música do século XVIII.

No programa figuram os dois Concertos para cravo, em sol menor e lá maior, do compositor de Coimbra que foi cravista e organista da corte de D. João V, além de obras de Domenico Scarlatti (1685-1757), italiano com quem se cruzou na corte portuguesa, a "Alla Portugesa, opus 8", do inglês William Corbett (1680-1748), e ainda o italiano Luigi Boccherini (1743-1805), que compôs grande parte da obra sob o patrocínio da coroa espanhola, em Madrid.

Sobre a obra e estilo de Seixas enquanto compositor e figura de destaque na música portuguesa, uma das discussões frequentes, no âmbito da musicologia, prende-se com a influência de Scarlatti na sua produção, uma vez que ambos conviveram no mesmo período, em funções diferentes, a trabalhar para o rei D. João V.

De Scarlatti, serão interpretadas uma série de sonatas para cravo, três na primeira parte e outras duas na segunda. O programa incluirá ainda o "Concerto n.º5 em ré menor", vindo da série dos 12 "Concertos in seven parts done from the lessons of Domenico Scarlatti", compostos na verdade a partir de sonatas para cravo do compositor italiano.

Outro dos destaques é a versão para orquestra de cordas que Staier criou a partir de "Quintettino opus 30 n.º6, em dó maior, 'La Musica Notturna delle strade di Madrid'", de Boccherini, violoncelista de uma geração posterior a Seixas, Avison e Scarlatti, com grande parte do seu percurso vivido em Espanha, primeiro na corte, depois com diferentes patronos.

O programa será ainda apresentado a 03 de novembro, nas Noites de Queluz, na Casa da Música, nos dias 04 e 06, numa atuação que contará ainda com o Remix Ensemble, e em Viena, na Konzerthaus, no dia 09.

O concerto no Porto combina a expressão barroca com música nova. Abre com o Remix Ensemble e estreia uma nova obra de Gonçalo Gato para ensemble, encomenda da Casa da Música ao compositor em residência. Será também interpretada uma das mais recentes obras do austríaco Johannes Maria Staud, "Auf die Stimme der weißen Kreide" ("Na voz do giz branco", em tradução livre), sobre os monólogos de Josef Winkler, por sua vez inspirados no busto "O espetro de Gardénia", do surrealista francês Jean Marcel.

Staier é considerado um dos grandes nomes do cravo e pianoforte a nível global, com uma extensa discografia e ativa carreira de palco, tendo integrado, nos anos de 1980, a orquestra Musica Antiqua Köln, de Reinhard Goebel, e formado o ensemble Les Adieux.

Como solista tem trabalhado com orquestras como Concerto de Colónia, Barroca de Friburgo, Academia de Música Antiga de Berlim, além de músicos como o tenor Christoph Prégardien e o pianista Alexei Lubimov.

Em 2015, passou pela Casa da Música num programa dedicado a Johann Sebastian Bach que incluía, também, peças para cravo dos franceses Anglebert, Grigny e Couperin.