Economia

Empreendedorismo rural no Douro Verde apoiado com 1,2 milhões de euros até 2019

Empreendedorismo rural no Douro Verde apoiado com 1,2 milhões de euros até 2019

A associação de desenvolvimento local "Dolmen" anunciou hoje, em Baião, apoios ao investimento na economia rural, no valor de cerca de 1,2 milhões euros, em território de cinco concelhos do "Douro Verde".

O conjunto das ações designa-se "Economia Ativa no Douro Verde" e resulta de uma candidatura aos fundos do Norte 2020, entretanto aprovada, tendo a Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro e a Escola Profissional de Agricultura de Marco de Canaveses como parceiros.

As duas entidades promotoras são a Dolmen e a Associação Empresarial de Baião.

PUB

O sistema de apoio estará em vigor até 2019 nos territórios de baixa densidade, compreendendo a totalidade dos concelhos de Baião, no distrito do Porto, Resende e Cinfães, no distrito de Viseu, e várias freguesias dos municípios de Amarante e Marco de Canaveses, ambos no Porto.

Os apoios foram apresentados na Fundação Eça de Queiroz, em Baião, com a presença do secretário de Estado das Florestas e do Desenvolvimento Rural, Miguel Freitas, e dos presidentes das câmaras de Baião, Resende, Cinfães e Marco de Canaveses. O município de Amarante esteve representado por um vereador. Algumas dezenas de empreendedores assistiram também aos trabalhos.

Telmo Pinto, presidente da Dolmen, explicou que o projeto pretende promover "uma cultura de empreendedorismo e a capacitação organizacional dos agentes económicos do território".

Os incentivos hoje revelados apoiarão a criação de novas empresas ou as já existentes nas áreas da agropecuária e produtos locais.

Na economia rural daquele território predominam as culturas da vinha e da cereja e a agropecuária, mas nos últimos anos têm-se evidenciado a apicultura, os frutos vermelhos e os kiwis.

O plano de ação prevê ações de formação dirigidas aos empreendedores nos vários concelhos, assessoria técnica às empresas, um prémio de empreendedorismo na economia rural, encubação de empresas, a criação de uma loja de produtos locais na Internet e bolsas para jovens empreendedores com formação superior.

Um manual do empreendedor, um estudo sobre o potencial de investimento na região, o desenvolvimento da marca "Produtos do Douro Verde", apoio ao desenvolvimento de planos de negócio no setor primário e uma feira do empreendedor são outras atividades incluídas no plano de ação.

Além das cinco câmaras municipais, também foram chamadas aos projetos duas associações do setor primário na região, ligadas à criação de gado da raça arouquesa e à produção de cereja em Resende.

Na sessão, o presidente da Câmara de Baião, Paulo Pereira, destacou a relevância de haver apoios ao empreendedorismo, especificamente para o setor primário, recordando que naquele território há cada vez mais negócios ligados à economia rural, em vários setores, destacando-se o vinho verde, que têm ajudado a criar emprego e a fixar a população.

O autarca apresentou alguns exemplos do que tem sido feito em Baião no plano da promoção da gastronomia, artesanato e outros produtos locais, que têm cada vez mais procura, estimulando o turismo, em franco crescimento no concelho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG