Economia

Incêndios: Governo apresenta medidas de apoio à agricultura "daqui a duas semanas"

Incêndios: Governo apresenta medidas de apoio à agricultura "daqui a duas semanas"

O Governo português conta apresentar daqui a duas semanas uma série de medidas de apoio aos subsetores agrícola e pecuário para "mitigar" os prejuízos com os incêndios ocorridos no domingo e na segunda-feira.

"Estamos a fazer o levantamento dos prejuízos e daqui a duas semanas teremos elencadas as medidas para a agricultura e a pecuária", revelou hoje em Madrid o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação, Luís Medeiros Vieira.

O governante, que falava num intervalo que fez quando visitava as empresas portuguesas presentes na feira internacional de frutas, legumes e flores, "Fruit Attraction", avançou que as ajudas serão dirigidas à alimentação animal e à reposição do potencial produtivo (armazéns, equipamentos, etc).

Independentemente desses apoios, "estamos já a encontrar soluções para o enterramento dos animais", avançou Luís Medeiros Vieira.

As centenas de incêndios que deflagraram no domingo, o pior dia de fogos do ano segundo as autoridades, provocaram, pelo menos, 41 mortos e cerca de 70 feridos (mais de uma dezena dos quais graves), além de terem obrigado a evacuar localidades, a realojar as populações e a cortar o trânsito em dezenas de estradas.

O Governo decretou três dias de luto nacional, entre terça e quinta-feira.

Esta é a segunda situação mais grave de incêndios com mortos este ano, depois de Pedrógão Grande, em junho, em que um fogo alastrou a outros municípios e provocou 64 mortos e mais de 250 feridos.

Quando visitava a feira, Luís Medeiros Vieira cruzou-se com a ministra espanhola da Agricultura e Pesca, Alimentação e Meio Ambiente, Isabel García Tejerina a quem transmitiu as condolências do Governo português pelos quatro mortos ocorridos na Galiza, que também sofreu uma série de fogos.

"Ela [a ministra espanhola] também me deu as condolências em relação aos acontecimentos trágicos que aconteceram no nosso país", disse o secretário de Estado da Agricultura e Alimentação.

Numa breve conversa com os jornalistas portugueses, Isabel García Tejerina explicou que, durante o verão, a Espanha pôde "atender a alguns pedidos de ajuda" de Portugal por causa dos incêndios, mas que nos últimos dias isso não foi possível.

"Este fim de semana a situação foi tão má na Galiza que tivemos de centrar todos os meios" nessa região, disse a ministra espanhola.

Isabel García Tejerina assegurou que, no caso da Galiza, "não foi um problema de meios humanos ou materiais, foi sim um problema de criminalidade, com intenção" de incendiar.

"O conjunto da sociedade deve ser absolutamente intolerante com quem atiça fogo. Trata-se de criminosos", insistiu a ministra espanhola.