Desporto

Futebol: I Liga/ Sporting de Braga - Benfica (declarações)

Futebol: I Liga/ Sporting de Braga - Benfica (declarações)

Declarações no final do encontro Sporting de Braga-Benfica (1-3), disputado no sábado, da 18.ª jornada da I Liga portuguesa de futebol:

- Abel Ferreira (treinador do Sporting de Braga): "Até aí (primeiro golo, aos 11 minutos), vemos uma equipa com uma matriz muito forte, a nossa, e outra equipa a apostar na transição, o Benfica. Quase todas as equipas que vêm aqui bloqueiam-nos os dois médios, neste caso, o Vuk (Vukcevic) e o Danilo. O primeiro golo é um erro nosso, num lançamento a nosso favor. Metemos a bola no corredor central, onde o nosso adversário meteu três jogadores, o que lhe dá mais músculo.

Mas, a verdade é que, mesmo na primeira parte, o nosso adversário contra a corrente dominante do jogo, conseguiu fazer golo. Há mérito, mas há muito mais demérito nosso. É o que eu chamo um erro não forçado. Mesmo na primeira parte, tivemos uma situação em que o Horta, com alguma facilidade, era só encostar a bola.

O que eu perguntei aos meus jogadores ao intervalo é o que é que tínhamos planeado. O Benfica estava a jogar com a linha defensiva em cima do meio-campo, a fazer pressões frontais constantes. A partir dos 70 e tal minutos, a linha defensiva do Benfica já não tinha a mesma disponibilidade física para encurtar a equipa. As bolas começaram a entrar e começámos a discutir outra vez o resultado.

Os dados estatísticos são muito equilibrados, mas o que define hoje o jogo é o passe, a qualidade do passe. Para mim, são erros técnicos, não forçados. Para mim, foi aí. Veem naquele passe que o Raúl [Jiménez] se isola. É um erro não forçado. Confio plenamente nos meus jogadores, dá gosto ver a nossa equipa a jogar, e temos de continuar a proporcionar os bons espetáculos que temos vindo a fazer.

Do outro lado, está o campeão em título, que se foca exclusivamente no campeonato nacional. Porventura, um dos melhores jogadores da história do Braga (Rafa), não joga nesta equipa. À partida, a equipa maior era o Benfica, que nos teria de encostar às cordas, e nós mais transições. Não foi o que se verificou. Estivemos dentro da matriz. O Benfica a defender muito bem, e tem um jogador, o número 10 (Jonas), que faz diferença. Ajuda um bocadinho.

Nem eu fiquei surpreendido da maneira que jogou, nem o Benfica ficou surpreendido com a forma como o Braga jogou. Quando as equipas têm identidade, é muito fácil quem vai analisar o adversário retirar os padrões de jogo.

O responsável pela derrota sou eu. As dinâmicas que implementámos sou eu. Não jogamos sozinhos. O adversário também nos cria constrangimentos. É com estes 'guerreiros' que vamos continuar a lutar pelos quatro primeiros lugares. O Benfica tem os recursos que tem, e nós temos os recursos que temos. O objetivo que me propuseram foi com menos fazer mais".

- Rui Vitória (treinador do Benfica): "Foi um belíssimo jogo de futebol, com duas equipas que se respeitaram muito bem, que sabiam como causar problemas uma à outra.

Fomos a melhor equipa, ganhámos justamente, contra um bom adversário.

Entrámos de uma forma muito personalizada, acabámos por estar a ganhar 1-0, sem grandes oportunidades de golo, mas o Braga acaba por não ter quase uma bola na nossa área.

Na segunda parte, sabíamos que o jogo poderia mudar. Acabámos por ter de ser muito criteriosos na saída para o ataque. Qualquer golo que fizéssemos teria impacto no adversário. Fizemos o 2-0, mas o Braga conseguiu ter 10 minutos em que volta novamente ao jogo. Mas, a qualquer momento, poderíamos fazer o terceiro golo, e foi o que aconteceu. Resumindo: uma vitória inteiramente justa, num jogo interessantíssimo de seguir, com aspetos táticos importantes, e com os jogadores que entraram a terem influência.

(Quero) dar os parabéns ao Braga pela campanha que tem vindo a fazer, porque este jogo já tem uma história. Vir a Braga não é fácil. Felizmente, nos últimos anos, temos vindo cá ganhar.

O adversário fez uma primeira volta muito boa. Mais do que ganhar ao Braga, viemos com o propósito de continuar o que temos vindo a fazer e mostrar qualidade. O sumo de tudo isto é a vitória. Foi uma vitória muito saborosa, num campo muito difícil. Trouxemos um plano e os jogadores executaram-no muito bem. Mérito deles nessa interpretação. É um jogo que já está riscado e passado. Agora, é pensar no próximo.

Em relação ao Rúben (Dias), é evidente que fez uma belíssima exibição, mas o mais importante é o desempenho coletivo. Soubemos anular muito bem a equipa do Braga, que tem nuances muito interessantes na construção de jogo. Não deixámos o Braga passar do nosso último reduto. Num coletivo muito bom, há sempre jogadores que sobressaem. Não quero estar aqui a individualizar, até porque não é justo para os outros.

A apreciação (da prestação de Jiménez) foi muito positiva. Às vezes, mais vale 20 minutos a sério do que 90 em que não estamos com toda a nossa dedicação. Às vezes, é preferível jogar 20 minutos e ter impacto no jogo. Além do Raúl, quero falar do Seferovic, um jogador internacional, que tem tido uma entrega muito boa. Temos o Jonas, que está a marcar golos. A vida é mesmo assim: esperar os momentos, trabalhar. É assim que os avançados da minha equipa trabalham.

Não vi ainda o lance em concreto (de uma eventual grande penalidade sobre Jonas, no início da segunda parte). No campo, fiquei com a sensação que sim. Mas ainda não vi nenhum lance na televisão.

Falta agora 16 batalhas. É evidente que é um jogo num campo difícil, com uma equipa que está a crescer, mas nunca pensar que ganhámos em Braga e agora o caminho vai ser mais fácil. Agora, é já focar no jogo com o Chaves. Ninguém pode dizer que neste jogo ou noutro, vamos facilitar.

Nessa questão (da polémica com Sérgio Conceição), estamos muito bem resolvidos. Não estamos a jogar contra ninguém, estamos a jogar para nós. Quando se sente esta determinação, este acreditar, e os jogadores sentem prazer no que estão a fazer. Hoje (sábado), era dar continuidade ao nosso desempenho de há uns jogos para cá. A nossa 'gasolina' é o prazer, é representar este clube, é mostrar a nossa qualidade, querer ganhar e estar no topo da tabela".