Nacional

Governo avança com nova unidade de tratamento do cancro com base na física de partículas

Governo avança com nova unidade de tratamento do cancro com base na física de partículas

O Governo deverá aprovar hoje as linhas orientadoras para ter, em 2022, uma unidade de saúde capaz de tratar anualmente 700 doentes com cancro recorrendo à física de partículas de alta energia.

A aprovação consta na ordem de trabalhos da reunião de hoje do Conselho de Ministros, dedicada ao conhecimento e à inovação, segundo o Ministério da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior.

O anúncio da criação de uma unidade de tratamento do cancro baseada na física nuclear foi feito em setembro pelo ministro da Ciência, Tecnologia e do Ensino Superior, Manuel Heitor, em declarações à Lusa, depois de ter participado em Viena, Áustria, na abertura da 61.ª Conferência Geral da Agência Internacional de Energia Atómica (AIEA).

O projeto, para o qual foi criado um grupo de trabalho, formado nomeadamente por representantes do ministério, do Instituto Superior Técnico e do Instituto Português de Oncologia de Lisboa, implica um investimento de 100 milhões de euros, que Manuel Heitor pensa poder ser suportado por fundos comunitários e por fundos reembolsáveis do Banco Europeu de Investimento.

Portugal espera congregar para este projeto, além da AIEA, o apoio do CERN - Organização Europeia para a Investigação Nuclear, que tem participação portuguesa, e da universidade norte-americana do Texas, com a qual reforçou a cooperação científica e tecnológica para as terapias oncológicas, uma vez que a cidade texana de Houston dispõe de uma unidade de tratamento de cancro com tecnologia nuclear de protões de alta energia.

De acordo com o ministro, esta tecnologia, que se baseia em feixes de protões de "alta intensidade", é eficaz e tem menos efeitos secundários do que a quimioterapia e radioterapia, sendo igualmente utilizada com aplicações na oncologia na Alemanha, no Reino Unido e na Suíça.

A nova unidade de tratamento de doentes com cancro, do Serviço Nacional de Saúde, que o ministro espera poder estar instalada em 2022, poderá vir a funcionar no 'campus' tecnológico e nuclear do Instituto Superior Técnico, em Bobadela, Loures, aproveitando a "maior concentração de técnicos em ciências e tecnologias nucleares".

No fundo, é "reorientar muita dessa capacidade para as terapias oncológicas", acentuou na altura à Lusa, lembrando que a "possibilidade de formar mais técnicos" surgiu este ano letivo com a abertura de mais vagas no ensino superior em física, a pensar na aplicação médica.

ver mais vídeos