Nacional

Marta Dias leva "Um dia uma vida" de Ruy Belo ao palco do Teatro Aberto

Marta Dias leva "Um dia uma vida" de Ruy Belo ao palco do Teatro Aberto

A "admiração profunda" de Marta Dias pela obra de Ruy Belo foi o que a levou a transpor para o palco o poema "Um dia uma vida", que dá título à peça a estrear no sábado, na sala Vermelha do Teatro Aberto, em Lisboa.

Na construção da dramaturgia, a encenadora não encontrou grande espaço para diálogo, entendendo que isso seria "subverter a escrita" do poeta, optando por isso por "estender a linguagem poética", levá-la mais longe.

"Porque não, da mesma forma que nós temos música em palco, [ter] uma espécie de poesia em palco, uma linha de programação que tem por base pegar em poemas ou autores e nas suas obras poéticas e transpô-las para o palco? Este espetáculo surge um pouco como uma experiência, mas tem um fundo muito pessoal", explicou a encenadora aos jornalistas, hoje, no final de um ensaio de imprensa da peça.

Depois de, em junho último, ter estreado com uma peça elaborada a partir de poemas de Alice Vieira, Marta Dias regressa agora ao universo da poesia, e a Ruy Belo, um autor "muito mais difícil de levar para o palco, porque é um mundo imenso".

Se os poemas de Alice Vieira, de que partiu para construir "Toda a cidade ardia", eram de tal forma "coloquiais" que lhe facilitaram o trabalho, desta vez, partir para o universo de Ruy Belo não foi tão fácil, apesar de ter sido um processo "natural", referiu.

"Apesar de o poema ter como premissa uma 'ideia simples', a ideia da passagem de um dia, e um dia uma vida", e "poder abrir muitas portas cénicas", "criar personagens a partir daquela voz", foi um "desafio" e "uma aventura", afirmou Marta Dias.

O poema aborda o tema do tempo, uma questão "difícil" que Marta Dias considera "muito atual e urgente", e que questiona "até que ponto as pessoas hoje têm tempo para a poesia, para ler ou para se aperceberem de coisas mais subtis, do que todos os apelos diários e constantes", acrescentou a encenadora, "do que tudo aquilo que nos afoga um pouco e nos imerge", sublinhou.

Esta é uma temática que a angustia bastante assim como aos atores da peça. Por isso, foi também muito interessante de explorar - assegurou -, nomeadamente na criação das personagens, que a encenadora propôs na escrita: uma jovem 'youtuber', uma doutora, um poeta e um pescador.

Na peça, porém, a encenadora não encontrou grande espaço para diálogo -- "isso seria subverter um bocado a escrita" de Ruy Belo. Optou por isso por "estender a musicalidade das palavras", optando por ligar as personagens como se fossem cantores.

"Como se isto fosse uma cantata barroca e pudéssemos dividir [a peça] pelas suas vozes, definindo ou distinguindo-as de forma a criar uma melodia interessante em contrapontos", sublinhou.

Uma melodia em que as personagens vão debitando falas gizadas por Marta Dias e versos de Ruy Belo, ao mesmo tempo que se vão questionando e experimentando a angústia com temas que se mantêm atuais.

Sobretudo temas políticos, como no final -- o país, a angústia, a solidão --, que se 'colam' a Ruy Belo.

Ao longo da peça, os versos "Ouve o tempo passar / escuta a sua voz/ pois o tempo tem voz", mesmo quando não são ditos, estão sempre implícitos. Como está o próprio poeta, à medida que se vai dando conta das transformações da natureza, da população e das mudanças do próprio sujeito que vai falando.

As personagens criadas por Marta Dias, cujas falas misturam texto da encenadora e versos do poema de Ruy Belo, desaguam assim numa praia, onde um pontão muito vivido funciona como local de comunhão entre o homem e a natureza, assumindo um sentido quase de altar, de lar.

Sem considerar que a peça é uma "homenagem a Ruy Belo", até porque não gosta do termo homenagem, Marta Dias sublinha "a enorme generosidade e o à-vontade" com que Teresa Belo, viúva do poeta, sempre os tem tratado desde que começou esta criação, apesar de ainda não ter visto a peça.

"Um dia uma vida" tem interpretação de Ana Brandão, Madalena Almeida, Miguel Lopes Rodrigues e Rui Melo.

A dramaturgia e encenação são de Marta Dias e o cenário e figurino de Marisa Fernandes.

No vídeo está Eduardo Breda e, na luz, Marta Dias e Alberto Carvalho.

A peça estreia-se no próximo sábado, dia 17, tem antestreia na sexta-feira, e vai ficar em cena de quarta-feira a sábado, às 21:30, e, aos domingos, às 16:00.

ver mais vídeos