Nacional

Nova presidente de Mirandela vai criar gabinete de apoio às freguesias

Nova presidente de Mirandela vai criar gabinete de apoio às freguesias

A nova presidente da Câmara de Mirandela, Júlia Rodrigues, anunciou hoje que vai criar na autarquia um gabinete de apoio às freguesias do concelho que vai tutelar diretamente.

O anúncio foi feito na cerimónia da tomada de posse que decorreu hoje naquele que é o segundo maior concelho do distrito de Bragança e que passa a ser presidido por Júlia Rodrigues, que abandonou o lugar de deputada na Assembleia da República para ser a primeira mulher presidente da Câmara de Mirandela e a primeira a levar o PS ao poder num bastião do PSD.

A nova presidente entende que as juntas de freguesia são "o poder mais próximo das pessoas, é onde as pessoas vão buscar apoio, principalmente nas freguesias mais afastadas da sede de concelho". Por isso, considera o novo pelouro "fundamental para a gestão do concelho" e vai ficar com a própria presidente da Câmara.

"É fundamental esta proximidade porque todos os presidentes de junta e todas as assembleias de freguesia identificam problemas que têm resposta rápida, muitas vezes, sem investimento, mas aqueles que tiverem investimento também vão ser realizados", afirmou.

Júlia Rodrigues explicou que ficará com este pelouro "não por uma questão de confiança, mas por uma questão de responsabilidade".

O primeiro passo à frente do município será "fazer uma avaliação consequente das contas municipais, reunir com todos os funcionários, com os dirigentes, de forma a avaliar e reunir elementos para fazer um orçamento que permita encarar o ano de 2018 com perspetivas de futuro".

Entre as novidades que apresentou está também a vice-presidência rotativa com todos os vereadores que fazem parte da equipa da autarca socialista a passarem por este cargo, mantendo os respetivos pelouros.

No discurso da tomada de posse referiu-se à nova etapa autárquica como o seu maior desafio por se tratar de um "sonho" concretizado, mas também pela responsabilidade das "dificuldades e constrangimentos financeiros" do próprio município.

Júlia Rodrigues quer que Mirandela "ganhe a centralidade que já teve noutros tempos" e disse que precisa "de todos" para fazer com que o concelho "ganhe novas valências, novos investimentos".

Um pelouro que a autarca considera "fundamental é a diplomacia económica: captar investidores, acolhê-los, e tratar também bem aqueles" que são da terra.