Economia

Papéis do Panamá: Sucursal do Novo Banco multada no Luxemburgo

Papéis do Panamá: Sucursal do Novo Banco multada no Luxemburgo

A sucursal do Novo Banco no Luxemburgo e três outros bancos europeus foram multados pelo supervisor luxemburguês, na sequência de uma fiscalização iniciada após o escândalo Panama Papers (Papéis do Panamá).

A Comissão de Vigilância do Sector Financeiro (CSSF, na sigla em francês), a entidade supervisora no Luxemburgo, aplicou sanções administrativas a nove sociedades financeiras, incluindo quatro bancos, no valor total de 2,12 milhões de euros, sem precisar as multas aplicadas a cada uma, anunciou o regulador.

De acordo com um comunicado da CSSF divulgado em 20 de dezembro, entre as instituições bancárias multadas estão, além do Novo Banco, também uma sucursal do Crédit Agricole, o Nordea Bank e o banco DNB Luxembourg.

Cinco sociedades de gestão foram igualmente multadas: Experta Corporate and Fund Services, Link Corporate Services, Maitland Luxembourg, Pure Capital e Victory Asset Management.

Na nota, a CSSF explicou que, na sequência dos Panama Papers, divulgados em abril de 2016, iniciou uma "verificação completa das contas das sociedades" financeiras sediadas no país, "em relação ou não com a Mossack Fonseca", a empresa especializada na criação de sociedades 'offshore' que esteve no epicentro das revelações do Consórcio Internacional de Jornalistas.

A ação de fiscalização do regulador luxemburguês visava avaliar "o cumprimento das obrigações de identificação do cliente e da deteção de transações de risco", previstas na legislação sobre a luta contra o branqueamento e o financiamento de terrorismo, segundo o comunicado.

A CSSF afirmou ter submetido um questionário a 73 bancos, tendo três dezenas sido ainda fiscalizados por revisores externos.

PUB

Na nota, a entidade reguladora disse que emitiu uma série de avisos nos casos em que detetou "infrações menores", tendo aplicado multas às sociedades em que foram constatadas "infrações médias ou severas" - caso do Novo Banco e das restantes oito entidades sancionadas.

A Comissão sublinha no entanto que "as falhas constatadas" não dizem respeito "ao passado recente" e que as entidades sancionadas iniciaram procedimentos para ficarem "em situação de conformidade", o que foi tido em conta pelo supervisor "na determinação do montante das multas".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG