O Jogo ao Vivo

Nacional

Presidente lembra quando ler Eça de Queiroz era "um sinal de abertura ao mundo"

Presidente lembra quando ler Eça de Queiroz era "um sinal de abertura ao mundo"

O Presidente da República lembrou hoje quando lia, ainda criança, Eça de Queiroz, visto nas décadas de 1950 e 1960, em pleno regime autoritário, como "sinal de abertura e de novas ideias".

"Eça de Queiroz representava não apenas um grande português com abertura para o mundo, que tinha corrido o mundo e tinha escrito sobre o mundo. Representava a chegada do mundo, da mudança, da abertura, das novas ideias, do realismo a Portugal", afirmou Marcelo Rebelo de Sousa, quando inaugurava, no centro da vila de Baião, no interior do distrito do Porto, uma estátua em bronze do escritor.

Felicitando a escultora Emília Lopes pela "forma como teve a felicidade de tão bem representar aquele que é um dos maiores escritores na história" das letras portuguesas, o chefe de Estado falou da sua felicidade do momento, insistindo que, para a sua geração, Eça de Queiroz "era uma descoberta".

"Era a abertura a França, a França da liberdade, a França de democracia, a França dos ideais que estavam a despontar na sua época e que, para nós, que vivíamos num regime autoritário, significava também uma abertura e uma mudança", comentou.

Rodeado por centenas de pessoas que assistiam à cerimónia, o Presidente da República deixou elogios a Baião, que considerou ser "uma terra cheia de história e de gente boa".

Considerou depois que a estátua em bronze, com cerca de dois metros de altura, representando o romancista, constituirá um elemento de atração de turistas portugueses e estrangeiros.

"Vai ser mais uma forma de projeção de Portugal na Europa", comentou.

No programa da visita a Baião, no âmbito das Comemorações do 172.º aniversário do nascimento do escritor, Marcelo Rebelo de Sousa visitará a sede da Fundação Eça de Queiroz, em Tormes, casa outrora habitada pelo romancista do século XIX.