Economia

Produtores de bovinos e ovinos lamentam criticas à exportação de animais vivos

Produtores de bovinos e ovinos lamentam criticas à exportação de animais vivos

Os produtores de bovinos e ovinos lamentaram hoje as críticas relativamente às condições de exportação de animais vivos por via marítima, destacando a forte regulamentação a que a atividade está submetida.

"Em termos de exportação [de animais vivos] a atividade é altamente regulamentada. A abertura e conquista de novos mercados está dependente da profissionalização do setor e da implementação de boas práticas e, por isso, não aceitamos a ligeireza com que algumas entidades põem em causa a atividade, no que toca, especificamente, ao bem-estar dos animais", disse Humberto Fernandes, membro da direção do Grupo de Produtores Exportadores de Bovinos e Ovinos (GPEBV), durante uma audiência parlamentar na Comissão de Agricultura e Mar.

De acordo com o responsável, os exportadores são acusados, por entidades que se dedicam à proteção animal e pela "opinião pública", de não garantirem as condições necessárias para o bem-estar dos animais durante o transporte, no que concerne, entre outros aspetos, à dimensão das gaiolas, limpeza, alimentação e segurança, com base nalguns casos que "não refletem" a realidade do setor.

Humberto Fernandes garante ainda que as empresas têm estabelecido objetivos no que se refere ao transporte de animais que passam, entre outros métodos, pela sensibilização dos motoristas e dos operadores.

Durante a ronda de intervenções, o deputado do PSD António ventura, disse que o transporte animal por via marítima tem vindo a ser regulamentado, sublinhando que, por vezes, os operadores é que não correspondem às exigências impostas.

"O produtor é o primeiro interessado em que os animais sejam transportados nas melhores condições, para que o preço também sejam melhor", acrescentou.

João Ramos do PCP subscreveu a ideia, acrescentando que a maioria dos produtores não tem mecanismo de transporte próprio e que, por isso, pode existir alguma "tendência para o incumprimento das regras", por parte das empresas que lhes prestam serviços.

Por sua vez, o deputado socialista Pedro do Carmo, destacou o trabalho que o grupo desenvolve, no sentido de "combater a desertificação" e de criar soluções para os pequenos e médios produtores agropecuários.

Opinião partilhada pelo deputado do BE Carlos Matias, que destacou a forte incidência do GPEBO nas zonas do baixo e alto Alentejo.

Já a deputada do CDS Ilda Araújo Novo disse que era "inquestionável" a forma como os produtores conseguiram chegar ao mercado externo, apesar das "dificuldades que têm que enfrentar".

Durante a sua intervenção, o deputado André Silva do PAN, vincou que a organização de produtores, por si só, já vai conduzir, a médio e longo prazo, "a um aumento das condições" de bem-estar animal.

Em resposta aos deputados, Nuno Ramalho do GPEBO defendeu que "não é preciso" ter médicos veterinários a bordo dos navios que efetuam o transporte de animais, uma vez que os mesmos estão dotados de técnicos que gerem os consumíveis e os trabalhos desenvolvidos nas embarcações.

"É com muita pena que estou a exportar animais vivos, isto porque nós não somos capazes de competir com as grandes superfícies e com a carne barata que chega da União Europeia", concluiu.

O Grupo de Produtores Exportadores de Bovinos e Ovinos é formado por empresários do setor agropecuário, representando, no total, mais de 700 trabalhadores.