Desporto

REPORTAGEM: O Europeu de padel pediu a casa emprestada ao Estoril Open e mudou-a

REPORTAGEM: O Europeu de padel pediu a casa emprestada ao Estoril Open e mudou-a

O Clube de Ténis do Estoril despiu as roupas faustosas que veste a cada primavera e deixou os seus visitantes a debater-se com a estranheza de encontrarem o Europeu de Padel na casa do Estoril Open em ténis.

À chegada, ainda antes da estrada serpenteada que conduz o visitante ao recinto, um cartaz anuncia as datas do próximo Millennium Estoril Open, numa contagem decrescente para aquela que será a quarta edição. E é essa uma das reminiscências da 'feira de vaidades' que é o único torneio ATP de ténis disputado em Portugal -- as outras são os 'outdoors´ publicitários que se vislumbram, aqui e ali, no labirinto de 'courts' de terra batida do clube.

Por coincidência, ou talvez não, até a entrada foi deslocada para o lado oposto. O Court Cascais reconverteu-se numa tenda transparente, que alberga o 'fun center', o 'players lounge' e o gabinete de imprensa. O emaranhado de ferro a que chamam bancadas desapareceu, dando lugar a um carreiro de flores que torna a área mais luminosa.

Os espaços claustrofóbicos do torneio de ténis foram substituídos por avenidas amplas, confortáveis, com a circulação a fazer-se sem obstáculos ou tropeções -- também porque o padel ainda não tem tantos adeptos ou projeção como a sua modalidade 'equivalente'. Mas é o 'court' central, instalado em pleno coração da zona de divertimento do Estoril Open, que mais espanta.

"A última vez que vim aqui, isto tinha uns insufláveis gigantes e estava aqui montado o 'fun center'. E, agora, está aqui um 'court' central de padel ainda bastante grande. É estranho, mas é bom ver que o Clube de Ténis do Estoril está disposto a fazer um bocadinho de tudo, o que é positivo para ambas as modalidades", assumiu à Agência Lusa João Monteiro.

O campeão nacional de ténis de 2016, que em maio esteve no recinto a disputar a fase de qualificação do Estoril Open, aproveitou a semana de férias para dar um pulinho ao Clube de Ténis do Estoril, para visitar o amigo Vasco Pascoal, e ficou espantado com aquilo que encontrou.

"Não tem nada a ver. Até tirei uma fotografia há bocado, porque me fez confusão ver campos de ténis quase deitados abaixo para fazer aqui o torneio de padel, mas faz parte. Muita gente aderiu ao padel. Acho que ainda não está tão grande como o Estoril Open, mas a continuar a crescer assim pode ficar do mesmo tamanho", defendeu.

João Monteiro foi um dos muitos curiosos que passaram pelas bancadas do Europeu de padel enquanto Portugal lutava pela presença na final feminina -- a tarefa foi bem-sucedida e, no sábado, a seleção nacional vai tentar revalidar o título.

Apesar de este ser um dia de semana, o público não falhou à chamada. Das bancadas relativamente compostas, repetiam-se os gritos de apoio, bem ensaiados. "Afunda Nogui", "It's break time" ressoavam no 'aquário', onde Catarina Nogueira e Kátia Rodrigues derrotaram Laura Clergue e Audrey Casanova, por duplo 6-1.

A euforia entrou em crescendo no segundo encontro, no qual Sofia Araújo e Filipa Mendonça garantiram o decisivo ponto no duelo com a França, ao vencerem a dupla composta por Léa Godalier e Marianne van Daele, por 6-1 e 6-3.

Às vozes dos outros atletas nacionais e respetivo 'staff', equipados com bandeiras e cachecóis, uniram-se as dos miúdos do padel escolar, que quase fizeram estremecer o teto metalizado da estrutura do Clube de Ténis do Estoril quando Portugal festejou o apuramento para a final.

No sábado, cai o pano sobre o Europeu do Padel e inicia-se a reconversão do recinto para a sua versão mais conhecida, aquela que entre 30 de abril e 06 de maio vai acolher o mais importante torneio de ténis português.