Autárquicas 2013

"Abstenção favorece quem tem governado", diz Soeiro

"Abstenção favorece quem tem governado", diz Soeiro

Foi com grafitos numa parede inventada na Trindade e uma distribuição de jornais de campanha que a candidatura "E se virássemos o Porto ao contrário", do Bloco de Esquerda, sublinhouesta terça-feira , negando-a, a palavra "abstenção".

"Há quem ganhe com a abstenção, tu talvez não", foi a frase largada aqui ali, à primeira chuva do outono, na parte pedonal de Cedofeita.

"O populismo agradece a abstenção. As outras candidaturas têm redes clientelares instaladas e posições estabelecidas, a abstenção favorece quem tem governado", explicou o candidato José Soeiro, enquanto caminhava de Cedofeita até à estação da Trindade.

Soeiro estende o jornal a uma transeunte. Ela, quase assustada, pergunta de que partido é. O nome do Bloco alivia-lhe a expressão. "AH! Obrigada!" - "As pessoas estão indignadas e cansadas com quem tem governado. Apelo a que falem e a melhor maneira de falar é votar. O voto do rico e o do pobre têm o mesmo valor".

Um homem deseja sorte a Soeiro, uma jovem foge, "num sei ler", é também de diversidade que se fazem campanhas. Como a de escolher o grafito como arma de propaganda, apelando à participação, à democracia, contra a abstenção.

"Pode haver vacas da Agros a cobrir a estação da Trindade, mas arte pública nas paredes devolutas já não é possível". José Soeiro defende que "há formas inteligentes de lidar com a intervenção artística sem precisar de mandar o exército limpar", alusão à política anti-grafito da Câmara do Porto.

Do comércio que viu triste, disse que a culpa radica numa cidade esvaziada. O BE propõe dinamização das ruas, mais mobilidade e apoio à atividade económica local.

Recomendadas

Conteúdo Patrocinado