Autárquicas 2013

Contas da Câmara de Lisboa dividiram Costa e Seara em debate

Contas da Câmara de Lisboa dividiram Costa e Seara em debate

As contas da Câmara de Lisboa foram o tema que mais dividiu os candidatos à autarquia lisboeta António Costa (PS) e Fernando Seara (coligação PSD/CDS-PP/MPT) num debate promovido esta segunda-feira pela Associação Comercial de Lisboa.

As duas horas de debate pautaram-se pela boa disposição dos candidatos, que arrancaram algumas gargalhadas à plateia, numa sala cheia.

Lembrando que a Câmara de Lisboa conseguiu "sanear parte das contas através do fluxo financeiro que obteve com a venda dos terrenos do aeroporto", Fernando Seara afirmou que o "prazo de pagamento ultrapassa 120 dias, o que significa que há dificuldades de tesouraria".

António Costa contrapôs que conseguiu "baixar [esse prazo] dos 360 dias" e explicou que "os 120 dias resultam basicamente de haver dívida acumulada com a Simtejo [Saneamento Integrado dos Municípios do Tejo e Trancão]".

"Se retirar essa dívida, vai ver que está abaixo dos 90 dias", frisou.

O candidato socialista classificou ainda de "exagerada a forma como desvalorizam a redução da dívida a médio e longo prazo", afirmando que o dinheiro obtido com a venda dos terrenos do aeroporto é "metade do que se reduziu da dívida".

Questionado sobre o terminal de contentores na Trafaria (Almada), o socialista defendeu que "as coisas têm de ser pensadas de forma integrada" e que os contentores "contribuem para cinco mil postos de trabalho na cidade de Lisboa".

Afirmando que nunca defendeu o fim do terminal em Alcântara, Costa lembrou que a "maioria esmagadora das mercadorias se destinam à margem norte" e transferi-las para a margem sul implica uma nova ponte e nova linha de comboio.

Apesar de ter dito no domingo que a "Trafaria é uma solução no desenvolvimento de um plano estratégico de médio prazo", Fernando Seara admitiu hoje que concorda com o opositor porque os custos logísticos dessa decisão irão refletir-se no preço final.

Relativamente ao aeroporto, Fernando Seara reafirmou a sua manutenção na Portela, sublinhando a sua importância numa cooperação com o desenvolvimento do terminal de cruzeiros.

Por seu lado, António Costa disse que "um dia terá de se tomar uma decisão" e defendeu que o essencial é assegurar-se o "acesso rápido, cómodo e barato ao centro da cidade".

Quanto à noite lisboeta e aos problemas entre ruído e moradores, António Costa admitiu que "são realidades, no limite, inconciliáveis" e difíceis de gerir e solucionar, mas frisou que, "no limite do conflito, a câmara tem de estar do lado do residente porque é quem não se pode deslocalizar".

Fernando Seara defendeu que tem de se "repensar os mecanismos da noite para espaços complementares do Porto de Lisboa, para que não perturbe quem comprou [casa] e comprou caro".

No final, o candidato da coligação PSD/CDS-PP/MPT disse que quer "transformar Lisboa numa cidade onde se goste de viver e trabalhar através dos cinco sentidos: a visão, com melhor iluminação noturna, a audição, oferecer música em toda a sua expressão, o olfacto, removendo os odores de lixo e esgoto, o tato, com a requalificação de passeios e ruas, e o gosto, através dos sabores da gastronomia lisboeta".

Já o candidato socialista promete a "renovação da continuidade do trabalho" e a gestão da câmara sem "o regresso ao desequilíbrio financeiro".

Além de António Costa e Fernando Seara, concorrem à câmara de Lisboa João Ferreira (CDU), João Semedo (BE), Nuno Correia da Silva (PPM/PND/PPV), Joana Miranda (PCTP-MRPP), Amândio Madaleno (PTP), Paulo Borges (PAN) e João Patrocínio (PNR).