Autárquicas 2013

Rui Moreira critica CNE e partidos

Rui Moreira critica CNE e partidos

Os ataques de Rui Moreira tiveram, esta segunda-feira, dois alvos preferenciais. À Comissão Nacional de Eleições acusou de ter dois pesos e duas medidas por "não se preocupar" com comentadores televisivos que vestem "o fato de independentes" mas fazem campanha pelos candidatos da sua cor política. Aos líderes nacionais, lançou críticas por fazerem do Porto "um campo de batalha" sobre temas nacionais e assumiu-se como alternativa aos partidos para apelar ao voto.

"Os temas nacionais e os líderes nacionais entraram no debate sobre as autárquicas. Temos insistido que a cidade merece um debate sobre o Porto e, portanto, este não é o tempo de aparecerem aqui as lideranças nacionais a tentarem uns defender as políticas do Governo, e outros promover as políticas da Oposição", condenou o candidato independente, num encontro com jornalistas, na sede de campanha.

Neste momento, "os partidos políticos e as suas lideranças estão muito preocupados com movimentos independentes como o nosso", constatou Moreira.

Rui Moreira referia-se à presença de líderes nacionais na campanha do Porto. O último foi António José Seguro, tendo o PS apelado ao voto útil em Manuel Pizarro e centrado os ataques na política do Governo.

Por isso, o candidato deixou um apelo ao voto diferente do que tem feito. "Espero que os cidadãos do Porto, mais uma vez como fizeram no passado, dêem o exemplo e expliquem exatamente através do seu voto que este tipo de apelo cai em saco roto. Aqui, discute-se o Porto", defendeu.

"Este também é o momento para os eleitores do Porto verem o que está a suceder. Verem que o Porto não pode ser um campo de batalha para as opções dos partidos relativamente à política nacional", continuou o candidato independente. Ou seja, "entre aqueles que querem ver nestas eleições um cartão verde ao Governo e aqueles que querem mostrar-lhe cartão amarelo ou vermelho" e, por isso, se "digladiam".

No entanto, o candidato independente reafirmou que a sua candidatura "não é contra os partidos", mas a democracia também "não se extingue" neles. E, por isso, apresenta-se como alternativa, prometendo continuar a defender políticas para a cidade.

Rui Moreira criticou, também, a Comissão Nacional de Eleições (CNE) . Questionado sobre se tem culpa no facto da campanha se centrar nas políticas da troika, afirmou que "a CNE faz parte de um sistema político que foi construído exatamente para proteger os partidos". E "desempenha na perfeição o papel que lhe foi atribuído" pelos mesmos.

"A CNE não é nesse aspeto um órgão completamente independente", destacou o candidato. "O que me admira na atuação da CNE é que, por um lado, impeça debates e a cobertura da forma que todos os cidadãos consideram legítima, mas não se preocupa, por exemplo, com aqueles comentadores que vêm à televisão, como ainda ontem assistimos, que vestem o fato de independente para falar na TV e, nessa mesma noite, vão fazer campanha pelo seu partido ou apoiar o seu candidato", criticou, referindo-se, nomeadamente, a Marcelo Rebelo de Sousa e a Marques Mendes.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG