Legislativas 2011

Líder do PCP pede "sentido de medida" a Passos

Líder do PCP pede "sentido de medida" a Passos

Jerónimo de Sousa criticou, quarta-feira à noite, o facto de Pedro Passos Coelho ter afirmado que os que mais têm poderão ter de ajudar os mais pobres. "Ao menos, tenha algum sentido de medida", defendeu o líder do PCP, acusando-o de começar "a mentir" como o actual primeiro-ministro.

"É de cair para o lado, camaradas", reagiu Jerónimo de Sousa. "Também foi assim que José Sócrates começou há seis anos", a "mentir descaradamente", criticou o candidato da CDU, no Seixal, reagindo às declarações que o líder do PSD fez, ontem, em Oliveira de Azeméis, distrito de Aveiro.

"Ninguém nos verá impor sacrifícios aos que mais precisam. Se as coisas não estiverem bem, temos que dizer que os que têm mais terão que ajudar os que têm menos em Portugal", disse Passos Coelho num almoço com autarcas.

De acordo com o secretário-geral comunista, "não é tempo de ir na conversa de quem pôs o país de rastos", uma vez que PS, PSD e CDS "já governaram à vez, já governaram a dois e podem governar a três".

Um voto útil, diz Jerónimo, "não pode ser um voto" para degradar "ainda mais a vida dos trabahadores". Por isso, lançou um apelo: "não desperdicem o vosso voto, não deixem que o voto se vire contra vós mesmos".

"Mas o voto neles é para quem e para quê?", perguntou o candidato, recordando que acordaram um programa "ilegítimo" e que a "troika" já se sente no direito de "vir mandar no nosso país". E "cada voto na CDU é um voto de castigo" contra aqueles três partidos.

Às 23 horas, tocou o sino da Igreja junto à qual decorria o comício. Jerónimo tentou dar a volta à situação: "este é um sinal, um sinal terreno claro, de que está na hora de votar na CDU".